Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Prisão preventiva para suspeito de matar jovem de 17 anos à facada em Cabo Verde

Vítima foi encontrada morta no interior de uma residência desabitada numa localidade de Santa Cruz, a 4 de agosto.
Lusa 6 de Agosto de 2020 às 23:08
Tribunal
Tribunal
Um homem de 23 anos ficou em prisão preventiva após ser detido por suspeitas de assassinar à facada uma jovem de 17 anos em Santa Cruz, interior da ilha de Santiago, anunciou esta quinta-feira o Ministério Público cabo-verdiano.

Em comunicado, a Procuradoria Geral da República (PGR) adiantou que a jovem de 17 anos foi encontrada morta no interior de uma residência desabitada na localidade de Achada Bel Bel, em Santa Cruz, a 4 de agosto.

"O Ministério Público, com a coadjuvação da Polícia Judiciária, recolheu indícios suscetíveis de integrarem a prática de um crime de homicídio agravado, em autoria material, previsto e punido pelos artigos 122.º e 123.º, alíneas a) e c), ambos do Código Penal", prosseguiu a mesma fonte. 

Segundo a PGR, durante a investigação foi identificado o suspeito da prática do crime, um jovem de 23 anos de idade, que foi detido flagrante delito horas depois.

O suspeito foi apresentado ao Tribunal, que lhe aplicou a medida de coação mais gravosa, a pressão preventiva, até ao julgamento.

Na mesma nota, o Ministério Público referiu que em 16 de julho a jovem apresentou queixa-crime na Esquadra da Polícia Nacional de Santa Cruz, que deu entrada na Procuradoria da República da Comarca de Santa Cruz no dia seguinte, em que o suspeito vinha indiciado da prática de um crime de ameaça e de um crime de violação da intimidade de vida privada.

"Entretanto, no dia seguinte, 18 de julho de 2020, a vítima compareceu na Procuradoria da República da Comarca de Santa Cruz, acompanhada da sua representante legal e do então denunciado, altura em que solicitou a desistência da queixa, argumentando que tudo não passava de um mal-entendido e que o problema já tinha sido resolvido", esclareceu a PGR.

O Ministério Público referiu ainda que a investigação se encontra em segredo de justiça, em mais um caso de violência baseada no género, caso que está a suscitar muitos comentários de indignação na sociedade cabo-verdiana.

Na sequência do assassínio da jovem, a presidente do Instituto Cabo-verdiano para Igualdade e Equidade do Género (ICIEG), Rosana Almada, apelou à tomada de consciência por parte da sociedade civil e da comunidade educativa sobre a violência baseada no género.

A presidente considerou ser urgente falar sobre violência no namoro para se evitar o feminicídio.

"Antes, estávamos a ter este problema em adultos, agora voltou-se para os adolescentes. Isto é terrível para a sociedade", lamentou Rosana Almeida, numa publicação na página oficial do ICIEG.

Ver comentários