Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Programa do Governo promete tirar da pobreza extrema 115 mil pessoas em Cabo Verde

Trabalhos vão decorrer durante todo o dia, numa sessão especial que tem como ponto único a "apreciação do Programa do Governo e votação da moção de confiança".
Lusa 14 de Junho de 2021 às 09:31
Cabo Verde, Covid, xxx
Cabo Verde, Covid, xxx FOTO: Getty Images
A Assembleia Nacional de Cabo Verde discute esta segunda-feira o Programa do Governo para a legislatura, que prioriza a eliminação da pobreza extrema em que vivem 115 mil pessoas, votando ainda a necessária moção de confiança ao executivo.

"O número de pobres em Cabo Verde atinge os 186 mil, sendo que 115 mil estão em situação de pobreza extrema [viver com menos de um dólar por dia]. A eliminação da pobreza extrema e a redução da pobreza absoluta é assim uma grande prioridade para atingir o desenvolvimento sustentável", aponta o Programa do Governo, que o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, leva hoje ao parlamento.

De acordo com informação da Assembleia Nacional, os trabalhos vão decorrer durante todo o dia, numa sessão especial que tem como ponto único a "apreciação do Programa do Governo e votação da moção de confiança", obrigatoriamente apresentada pelo executivo no início da legislatura, conforme prevê a Constituição.

"No dia 18 de abril, o povo cabo-verdiano foi às urnas e escolheu livremente 'Cabo Verde no caminho seguro', como propôs o MpD [Movimento para a Democracia, maioria]. O povo cabo-verdiano apostou na continuidade do MpD para governar Cabo Verde, ciente de que, em contexto difícil marcado por secas severas e pela pandemia da covid-19, cumprimos o essencial do programa de governação 2016/2021 e reforçamos a confiança para um novo mandato que agora se inicia", lê-se na moção de confiança apresentada pelo primeiro-ministro ao parlamento.

No documento, Ulisses Correia e Silva diz que a pandemia de covid-19 "exige uma concentração de esforços para continuar a proteger a saúde, o emprego, as empresas e as famílias", mas também para "aliviar o país dos elevados encargos assumidos com o combate à covid-19", através das medidas de proteção social e às empresas, "e com as consequências da quebra da atividade económica nas finanças públicas".

"A proteção da saúde, do emprego, do rendimento e das empresas, a massificação da vacinação, a retoma e o lançamento da economia e o alívio da dívida externa são as principais prioridades de curto prazo", aponta o primeiro-ministro, no texto da moção de confiança ao Governo, que tem aprovação garantida pela maioria de deputados do MpD.

O documento aponta como prioridades da legislatura que agora começa, além de "eliminar a pobreza extrema e reduzir a pobreza absoluta", também "garantir a saúde e a qualidade de vida aos cabo-verdianas" ou "investir em oportunidade para os jovens", promover a coesão territorial, aumentar a resiliência e diversificar a economia, assim como "melhorar a segurança e a administração da Justiça".

Garante ainda que "um pacote de medidas está a ser trabalhado para apoiar a retoma e o relançamento das empresas, particularmente as mais afetadas pelos efeitos da pandemia".

"Um forte pacote social dirigido às famílias em situação de pobreza extrema e economicamente vulneráveis será implementado como prioridade, abarcando o alargamento do acesso ao rendimento, a cuidados, à educação, à formação, à inclusão produtiva, à saúde, à segurança social e à habitação condigna", lê-se ainda no texto da moção.

Acrescenta que a saúde "ganha particular centralidade" nesta legislatura devido ao contexto da pandemia de covid-19, mas também "porque reforça a sua importância para o desenvolvimento sustentável do ponto de vista da qualidade de vida das pessoas e da economia".

"A educação de excelência, a qualificação para a empregabilidade e o empreendedorismo dos jovens é uma aposta decisiva do Governo para reduzir de forma significativa o número de jovens fora da educação, do emprego ou da formação, dos atuais 58 mil para 20 mil até 2026", refere-se ainda na moção.

Assume igualmente o objetivo de dar "centralidade à diáspora" cabo-verdiana do ponto de vista da atração de investimentos, competências e de capacidades, bem como para o "aumento da notoriedade de Cabo Verde no mundo".

Ver comentários