Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Sociedade civil moçambicana defende diálogo permanente para sucesso do acordo de paz

Interação entre os dirigentes moçambicanos deve incidir sobre questões estruturais de âmbito político, económico e social.
Lusa 15 de Agosto de 2019 às 17:02
Bandeira Moçambique
Bandeira Moçambique FOTO: Getty Images
A Sala da Paz, coligação de organizações da sociedade civil moçambicana, defendeu esta quinta-feira uma plataforma de diálogo permanente entre as lideranças políticas nacionais para o sucesso do acordo de paz assinado no dia 06 de agosto em Maputo.

"É necessária a criação de um fórum de diálogo permanente entre as lideranças, para a avaliação conjunta da implementação do acordo", refere um comunicado divulgado hoje pela Sala da Paz, em reação ao Acordo de Paz e Reconciliação Nacional.

A interação entre os principais dirigentes moçambicanos deve também incidir sobre questões estruturais de âmbito político, económico e social, considera a Sala da Paz.

As organizações da sociedade civil assinalam que os ciclos de violência armada que têm assolado Moçambique são provocados por diferendos em torno dos processos eleitorais, o que impõe a transparência nos escrutínios.

"Os desafios referentes à transparência dos processos eleitorais e a falta de confiança em relação às instituições e atores eleitorais têm sido indicados como algumas das principais razões da ocorrência de conflitos em Moçambique, que quase sempre deflagram logo após o período eleitoral", lê-se no comunicado.

Nesse sentido, prossegue a Sala da Paz, é preciso um compromisso político forte e sincero das lideranças para serenar os ânimos na campanha eleitoral e noutras fases dos escrutínios.

A Sala da Paz considera que o sucesso do acordo vai também depender da implementação efetiva e transparente da Desmilitarização, Desmobilização e Reintegração (DDR) dos militares da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição.

A adoção de políticas de desenvolvimento e um plano de governação que reflita e responda às aspirações dos moçambicanos será igualmente fundamental.

Aquela plataforma da sociedade civil aponta também que a partilha regular de informações sobre os avanços na implementação dos acordos e a socialização do acordo ao nível das instituições, comunidades e até famílias, de modo a que todos se sintam parte do mesmo e se envolvam na sua implementação, serão fundamentais para o êxito dos entendimentos.

O Acordo de Paz e Reconciliação Nacional foi assinado pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, e pelo líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição.

O pacto é o terceiro entre o Governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e a Renamo.

O primeiro foi assinado em 1992 para pôr termo à guerra civil de 16 anos e o segundo foi rubricado em 2014, após confrontos entre o braço armado da Renamo e as Forças de Defesa e Segurança moçambicanas, na sequência da recusa do principal partido da oposição em reconhecer os resultados das eleições gerais.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)