Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Assange instado a entregar-se à polícia para ser extraditado

O fundador do portal WikiLeaks Julian Assange, refugiado há nove dias na embaixada do Equador em Londres, foi instado a apresentar-se numa esquadra de polícia para ser extraditado para a Suécia, foi noticiado.
28 de Junho de 2012 às 14:42
O fundador do portal WikiLeaks Julian Assange, refugiado há nove dias na embaixada do Equador em Londres
O fundador do portal WikiLeaks Julian Assange, refugiado há nove dias na embaixada do Equador em Londres FOTO: d.r.

As autoridades apenas confirmaram que o "aviso de rendição" foi entregue esta manhã a um homem de 40 anos para se apresentar numa esquadra "numa data e hora escolhida" pela polícia.

"Esta é uma prática normal em casos de extradição e é o primeiro passo no processo de remoção", esclareceu um porta-voz da Polícia Metropolitana de Londres.

De acordo com a imprensa britânica, que citou fontes anónimas, a pessoa em causa é Julian Assange, que infringiu as medidas de coacção impostas pela justiça, nomeadamente a de passar a noite na morada que providenciou ao tribunal.

O australiano encontra-se desde 19 de Junho na representação diplomática, à qual pediu asilo político, requerimento que as autoridades equatorianas dizem estar a avaliar.

Assange é alvo de um mandado de detenção europeu para responder a acusações de duas mulheres na Suécia de violação e agressão sexual em 2010. O fundador do WikiLeaks sempre contestou estas acusações e alegou que as relações foram consensuais.

A extradição do australiano foi aprovada pelo tribunal de primeira instância e pelo Tribunal Superior [High Court]. O Supremo Tribunal, a última instância judicial britânica, rejeitou um recurso de Assange.

O fundador do WikiLeaks tem até hoje para apresentar um recurso junto do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em Estrasburgo (França). 

Os apoiantes de Assange alegam que o processo é uma conspiração arquitectada por Washington, em represália pela publicação pelo WikiLeaks de dezenas de milhares de documentos militares secretos sobre o Iraque e o Afeganistão e de telegramas diplomáticos norte-americanos.

AssangeWikileaksdetidopoliciaSuécia
Ver comentários