Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Agca em liberdade

Mehmet Ali Agca, o turco que em 1981 disparou contra o Papa João Paulo II na Praça de São Pedro, foi ontem colocado em liberdade após cumprir 25 anos de prisão em cadeias italianas e turcas. O ministro turco da Justiça já avisou, porém, que a liberdade de Agca pode ser de curta duração, uma vez que o processo vai ser revisto e o terrorista pode regressar à cadeia.
13 de Janeiro de 2006 às 00:00
À saída da cadeia, Agca mostrou uma cópia da sua foto com o Papa
À saída da cadeia, Agca mostrou uma cópia da sua foto com o Papa FOTO: Stringer, Reuters
A libertação de Agca foi ordenada por um tribunal turco na semana passada, por considerar que, ao abrigo da nova legislação, os 19 anos que passou na cadeia em Itália deveriam ser descontados da pena a que foi condenado na Turquia por outros crimes. Agca beneficiou ainda de várias amnistias e de uma redução de pena por bom comportamento.
À saída da cadeia de Kartal, ontem, Agca, de 48 anos, tinha à sua espera centenas de apoiantes, que lançaram flores sobre o carro em que foi levado. De acordo com a Lei turca, Agca deverá agora cumprir o serviço militar obrigatório de 15 meses a que escapou quando era jovem, tendo por isso sido levado imediatamente para a Escola de Infantaria de Tuzla, para realizar os necessários exames médicos. O advogado de Agca afirma que ele está disposto a cumprir o serviço militar.
“SABE MUITOS SEGREDOS”
Entretanto, e na sequência dos protestos gerados em vários sectores da sociedade turca pela inesperada libertação do terrorista, o ministro da Justiça, Cemil Cicek, admitiu que Agca poderá voltar à cadeia. “Ordenei uma reavaliação do seu processo para garantir que não foram cometidos erros”, afirmou, adiantando que “não seria a primeira vez” que um prisioneiro libertado por engano regressava à prisão.
Na semana passada, o antigo juiz italiano Ferdinando Imposimato afirmou que Agca “sabia demais” e corria “perigo de vida” se ficasse em liberdade. “O melhor seria que fosse mantido na prisão”, afirmou. Recorde-se que os motivos que levaram Agca a atentar contra a vida do Papa continuam envoltos em mistério, suspeitando-se que ele não terá sido mais do que um mero peão numa conspiração que envolveu o KGB e os serviços secretos búlgaros.
A VIDA DE AGCA
9 JANEIRO 1958
Agca nasce em Yesiltepe, na Turquia. Perde o pai aos oito anos.
1 FEVEREIRO 1979
Agca assassina o director do jornal Milliyet, Abdi Ipecki, em Istambul. Meses depois é preso e acusado.
23 NOVEMBRO 1979
Agca foge da prisão de alta segurança de Kartal, supostamente com a cumplicidade dos guardas.
13 MAIO 1981
Agca dispara contra o Papa na Praça de São Pedro. É imediatamente capturado. Dois meses depois é condenado a prisão perpétua.
27 DEZEMBRO 1983
João Paulo II visita Agca na prisão e perdoa-lhe pelo atentado contra a sua vida.
JUNHO 2000
A pedido do Vaticano, o presidente italiano indulta Agca e este é extraditado para a Turquia, onde cumpre pena por outros crimes.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)