Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Agência nuclear condena Teerão

O Irão foi censurado ontem por falta de cooperação numa resolução da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), a primeira do género emitida desde 2006 por aquele organismo da ONU. Teerão já respondeu, considerando que o documento é "um gesto de intimidação politicamente motivado".
28 de Novembro de 2009 às 00:30
O presidente Mahmoud Ahmadinejad desafia a ONU
O presidente Mahmoud Ahmadinejad desafia a ONU FOTO: EPA

O documento foi aprovado por maioria esmagadora e contou até com o apoio de Rússia e China, países que têm bloqueado os esforços internacionais para isolar o Irão.

A resolução exprime "séria preocupação" com a possibilidade de a República Islâmica continuar "a desafiar" as exigências da comunidade internacional para que deixe de enriquecer urânio para fabrico de armas nucleares. O texto da AIEA exige ainda a suspensão dos trabalhos na central de Fordow, junto à cidade santa de Qom, que foi construída em segredo durante mais de dois anos. Só em Setembro, após divulgação de notícias sobre o caso, o Irão admitiu a sua existência.

"A grande nação do Irão jamais se vergará à pressão e intimidação para abdicar do seu direito inalienável à energia nuclear para fins pacíficos", afirmou o embaixador iraniano junto da AIEA, Ali Asghar Soltanjeh, anunciando a suspensão da cooperação com os organismos internacionais.

Num tom algo ameaçador, os Estados Unidos frisaram, por seu lado, que o Irão será inteiramente responsável pelas consequências se continuar a recusar cumprir as suas obrigações.

IRÃO NEGA CERCO A EBADI

O Irão negou ontem as acusações da Noruega sobre um alegado confisco do Nobel da Paz entregue em 2003 à activista dos direitos humanos iraniana Shirin Ebadi. "Surpreende-nos ver a Noruega a tomar uma posição tendenciosa e a assumir uma posição que desafia as leis e regras respeitadas por todos", afirmou o porta-voz do Ministério iraniano dos Negócios Estrangeiros, Ramin Mehmanparast. As acusações norueguesas foram veiculadas na quinta-feira e confirmadas pela própria Ebadi, segundo a qual lhe foram ainda confiscados outros prémios internacionais e congelada a conta bancária.

A Noruega acusa ainda Teerãode ter detido e espancado o maridode Ebadi, algo que não mereceu o comentário de Mehmanparast.

SAIBA MAIS

APOIO AMERICANO

O programa nuclear iraniano começou nos anos 50 passado com o apoio dos EUA, no âmbito dos Átomos para a Paz que também criou o laboratório português de energia nuclear, em Sacavém.

1968

foi o ano em que o xá Reza Pahlavi assinou, como imperador da Pérsia, o Tratado de Não--Proliferação Nuclear (NPT).

2003

trouxe, em Novembro, a primeira confirmação pela AIEA de queo Irão desrespeitava os compromissos de subscritor do NPT.

URÂNIO ENRIQUECIDO

Para fazer a bomba atómica são necessários 20 a 25 kg de urânio altamente enriquecido, com 80% a 90% do isótopo U 235. Admite-se que isso esteja ao alcance do poder iraniano, embora haja informações de que o enriquecimento já feito fique pelos 4% de U235.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)