Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Audições a novos comissários levam a reunião de urgência

A intenção de Jean-Claude Juncker é a de tentar encontrar uma solução para evitar uma catástrofe.
3 de Outubro de 2014 às 16:14
Jean-Claude Junker voltou a dizer que não é "o amigo do grande capital"
Jean-Claude Junker voltou a dizer que não é 'o amigo do grande capital' FOTO: Olivier Hoslet/EPA

A primeira semana de audições a candidatos a comissário europeu, com o Parlamento Europeu (PE) a levantar várias reservas, levou ao agendamento de uma reunião de urgência na terça-feira, segundo a AFP, citando fontes europeias.

A intenção de Jean-Claude Juncker é a de tentar encontrar uma solução para evitar uma catástrofe, depois de - numa só semana - a aprovação de cinco candidatos a comissário europeu estar pendente de novas diligências, devido a um braço de ferro entre os principais grupos políticos da assembleia que tem levado a um clima de crescente crispação nas audições, em função da "cor política" do comissário designado.

Já o candidato designado por Portugal, Carlos Moedas, a quem Juncker atribuiu a pasta da Investigação, Ciência e Inovação, passou 'à primeira' no exame do PE, tendo sido aprovado para a pasta da Inovação, Ciência e Investigação, após a audição de terça-feira.

Encontro com Martin Schulz

Juncker  vai encontrar-se com o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, e os líderes dos grupos parlamentares europeus conservador (PPE), Manfred Weber, socialista (S&D), Gianni Pittella, e liberal (ALDE), Guy Verhofstadt.

As divergências entre os dois principais grupos políticos, o PPE (que inclui os eleitos pela Aliança - PSD e CDS) e o S&D (a que pertencem os eurodeputados do PS) levaram ao adiamento de várias decisões.

Depois de realizadas 20 audições, o britânico Jonathan Hill (que pertence à terceira família do PE, a dos conservadores britânicos) terá que submeter-se a novo 'exame'.

O espanhol Miguel Arias Cañete (PPE) viu a sua aprovação adiada por dúvidas sobre conflitos de interesses, tendo o francês Pierre Moscovici (S&D) visto também a sua aprovação suspensa, tendo que responder por escrito a um novo questionário.

Também o húngaro Tibor Navricsics ( PPE)  e a checa Vera Jourová (ALDE) terão que  responder por escrito a perguntas suplementares.

Entendimento

A votação sobre Cañete e Moscovici estão agendadas para terça-feira, o que abre a porta a um entendimento entre os dois maiores grupos.

Na segunda e terça-feira irão ainda decorrer as audições aos seis vice-presidentes designados por Juncker.

Se as diligências decorrerem como previsto, o Parlamento Europeu aprova o colégio de comissários no seu todo, no dia 22 de outubro, em Estrasburgo, devendo entrar em funções a 1 de novembro a 'Comissão Juncker', que sucede ao executivo comunitário de José Manuel Durão Barroso, que exerceu o cargo de presidente da Comissão durante 10 anos, entre 2004 e 2014.

Parlamento Europeu Jean-Claude Juncker PE
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)