Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Austrália trava ataque a quartel

A polícia australiana desmantelou ontem uma célula terrorista islâmica que planeava atacar uma base militar nos arredores de Sydney e "matar o maior número possível de soldados". Os detidos têm ligações ao grupo somali al-Shabaab, principal aliado da al-Qaeda no Corno de África.
5 de Agosto de 2009 às 00:30
Um dos detidos (de capuz negro) à chegada ao Tribunal de Melbourne
Um dos detidos (de capuz negro) à chegada ao Tribunal de Melbourne FOTO: Mick Tsikas/Reuters

Mais de 400 polícias e elementos do serviço australiano de informações convergiram ontem de madrugada para 19 propriedades no centro e arredores de Melbourne, detendo quatro membros do alegado comando terrorista que planeava atacar a base militar de Holsworthy, nos arredores de Sydney. Um quinto suspeito já se encontrava sob custódia policial devido a outro crime.

'A intenção dos terroristas era invadir o quartel e matar o maior número possível de militares antes de se suicidarem ou serem mortos', afirmou o chefe da polícia australiana, Tony Negus, adiantando que o grupo estava a ser vigiado desde o início do ano. Entre as provas acumuladas ao longo da investigação encontram-se escutas telefónicas, vídeos e mensagens de SMS interceptadas pelas autoridades, numa das quais um dos suspeitos informa os restantes da escolha do alvo. 'Estou junto a Holsworthy. Parece-me fácil entrar', escreveu. Os terroristas terão vigiado outros quartéis em Melbourne e Victoria.

Os suspeitos têm entre 22 e 26 anos e são todos cidadãos australianos, embora de origem somali e libanesa. Um dos detidos, Nayaf el-Sayed, viu a sua prisão ser confirmada pelo tribunal, que prolongou o prazo para a polícia interrogar os restantes detidos.

As autoridades policiais indicaram que o grupo tinha ligações à organização terrorista somali al--Shabaab, e que os membros da célula viajaram recentemente pa-ra a Somália para receber treino de manuseamento de armas e explosivos, tendo pelo menos um deles participado em 'acções ofensivas' contra as forças governamentais somalis.

KEVIN RUDD REJEITA RETIRADA DO AFEGANISTÃO

O primeiro-ministro australiano, Kevin Rudd, recusou ontem retirar as tropas do seu país do Afeganistão, apesar da ameaça terrorista contra a Austrália. 'Reconheço que se trata de uma guerra impopular, mas se quisermos resolver o problema da ameaça terrorista nos seus diferentes níveis devemos resolver o problema onde os terroristas se treinam', afirmou Rudd, considerando que o desmantelamento da célula terrorista de Melbourne prova que a ameaça terrorista 'é real' e que 'continua a existir'. Note-se que a Austrália reforçou o nível de alerta contrao terrorismo após o 11 de Setembro, embora nunca tenha sido alvo de qualquer ataque no seu território.

SAIBA MAIS

ALIADOS DA AL-QAEDA

O al-Shabaab luta pela criação de um estado islâmico na Somália e é o principal aliado da al-Qaeda na região do Corno de África.

1978 foi o ano em que ocorreu o último grande atentado em território australiano. O alvo foi o Hotel Hilton de Sydney e o ataque matou duas pessoas.

95 australianos morreram nos atentados terroristas de Bali, na Indonésia, em 2002 e 2005.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)