Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Autoridades fazem buscas para salvar tripulantes de submarino desaparecido na Indonésia

Com o oxigénio a esgotar-se no submarino as esperanças de encontrar com vida os 53 tripulantes são cada vez menores.
Francisco J. Gonçalves 24 de Abril de 2021 às 09:42
Submarino desapareceu durante um exercício com torpedos a norte de Bali
Submarino desapareceu durante um exercício com torpedos a norte de Bali FOTO: EPA
As esperanças de encontrar sobreviventes do submarino indonésio que desapareceu ao largo da ilha de Bali na quarta-feira eram esta sexta-feira praticamente nulas. Com o oxigénio já esgotado no ‘KRI Nanggala-402’, poucos acreditam ainda poder salvar alguns dos 53 tripulantes da embarcação desaparecida.

Acresce que o submarino poderá ter sido esmagado pela pressão do mar, caso se tenha afundado a mais de 600 metros de profundidade. Mas, mesmo que esteja ainda intacto, os responsáveis indonésios afirmavam esta sexta-feira que restava oxigénio somente até à madrugada deste sábado.

A imensa operação de buscas está a ser auxiliada por meios enviados pela Austrália, Índia, Malásia e Singapura. Os EUA juntaram-se esta sexta-feira às buscas, enviando para o efeito um avião de patrulha marítima Boeing P-8 Poseidon. O secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, falou com o homólogo indonésio e ofereceu apoio adicional, que pode incluir meios de buscas subaquáticas.

Foi detetada uma mancha de óleo na zona onde o submarino se terá afundado durante testes de lançamento de torpedos e foi esta sexta-feira encontrado, também, um objeto “com grande força magnética”, a uma profundidade entre os 50 e os 100 metros, afirmou Yudo Margono, comandante da Marinha indonésia.

Um perito militar indonésio afirmou esta sexta-feira que os tripulantes ainda podem estar vivos. “Mas, se o submarino estiver a 700 metros de profundidade, será difícil resistirem, porque a pressão subaquática causará fissuras e ruturas no casco”, explicou Connie Rahakundini Bakrie.

O submarino desaparecido tem 44 anos e juntou-se à frota indonésia em 1981. Foi alvo de uma renovação em 2012, na Coreia do Sul, pelo que estava em boas condições, segundo garante a Marinha da Indonésia.
Ver comentários