Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen após semanas de bloqueio

Entrave foi imposto após o lançamento pelos rebeldes, de um míssil, intercetado sobre o aeroporto internacional da capital saudita.
Lusa 25 de Novembro de 2017 às 16:38
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Avião com ajuda humanitária aterra no Iémen
Um avião fretado pela UNICEF e carregado com ajuda humanitária aterrou este sábado em Sanaa, capital do Iémen, na primeira operação aeroportuária ao fim de três semanas de um bloqueio total imposto pela coligação militar liderada pela Arábia Saudita.

A coligação intervém militarmente no Iémen desde março de 2015 em apoio das forças governamentais e contra os rebeldes 'Huthis', que controlam a capital.

O bloqueio foi imposto após o lançamento pelos rebeldes, a 4 de novembro, de um míssil, intercetado sobre o aeroporto internacional da capital saudita, Riade.

A Organização das Nações Unidas (ONU) considera que a crise humanitária no Iémen é a pior do mundo, com cerca de 17 milhões de pessoas a precisar de ajuda alimentar, e pediu insistentemente o levantamento do bloqueio ao aeroporto de Sanaa e ao porto de Hodeida, localidade do oeste também controlada pelos rebeldes.

Na quarta-feira, a Arábia Saudita acedeu e anunciou o levantamento do bloqueio.

O Iémen é palco há dois anos e meio de uma guerra que opõe o Governo, apoiado por uma coligação árabe conduzida pela Arábia Saudita, aos rebeldes 'Huthis', aliados a unidades do exército que permaneceram fiéis ao ex-Presidente Ali Abdallah Saleh e acusados de ligações ao Irão.

O conflito já causou mais de 8.500 mortos e 60.000 feridos, segundo a ONU.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)