Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Balões de Sarkozy em bairros violentos

Está tudo prometido. Amanhã é a vez dos eleitores decidirem quem passa à 2.ª volta. Para que nada do que deve ser feito fique, contudo, por concretizar, a campanha de Sarkozy inventou um derradeiro esforço: ‘Juntos 72 horas para ganhar’ que, depois de se ter centrado na distribuição de propaganda, passa hoje, dia de reflexão, para iniciativas culturais. Uma delas é lançar balões azuis em Aulnay-Sous-Bois, município dos arredores do nordeste de Paris, onde há um autarca de origem portuguesa, Paulo Marques, todo UMP, e se sentiu com grande gravidade a revolta dos carros queimados do início de Novembro de 2005.
21 de Abril de 2007 às 00:00
No derradeiro dia de campanha para a primeira volta, Nicolas Sarkozy decidiu brincar aos vaqueiros
No derradeiro dia de campanha para a primeira volta, Nicolas Sarkozy decidiu brincar aos vaqueiros FOTO: Philippe Wojazer, Reuters
A fúria vandalizadora começou após a morte de dois jovens norte-africanos em Clichy-Sous -Bois, localidade contígua a Aulnay, e onde as coisas continuam mal. Ainda esta semana faleceu um paquistanês de 44 anos após 15 dias em coma, por ser espancado por um grupo de jovens quando o roubaram no bairro social de La Forestière.
Clichy-Sous-Bois é um local de romagem muito perigoso. Uma equipa da agência BG Television foi lá atacada na quarta-feira num assalto de tipo esticão e uma outra da al-Arabya entregou o material de reportagem roubado sem violência física. A própria polícia do departamento Seine-Saint Denis refere que nas últimas semanas se multiplicaram os incidentes. Na localidade já residiram muitos imigrantes portugueses que se passaram para municípios vizinhos, como Aulnay onde o hoje inquietante bairro Rosa dos Ventos viu nascer há três décadas uma pujante associação de naturais de Portugal.
Quando em Paris se apanha o comboio para Aulnay, percebe-se logo que se vai para outro mundo. Na estação havia tanto polícia que mais parecia que ia haver uma parada. De bastões à cintura, os agentes da Police National iam directo ao assunto ao mínimo alerta.
Apesar das controvérsias com o tratamento de ‘escumalha’ que Sarkozy dá aos violentos, Aulnay, com 80 mil habitantes, deu 42 lugares dos 53 da assembleia municipal ao UMP que ocupa todos os 15 lugares da vereação executiva. O segredo é que ninguém brinca em serviço. O militante que distribuía panfletos pró-Sarkozy na praça central parou a sua tarefa para tomar nota da matrícula do Renault 5 que passou rápido a gritar uns insultos pela janela e esteve sempre atento a um grupo de jovens a beber cerveja em atitude desafiante. Quando se retiraram, o sarkozista invectivou-os por deixarem no chão o lixo que possivelmente os seus pais, eventuais funcionários da câmara, virão limpar no dia seguinte.
Existe tensão nos subúrbios dos bairros sociais, mas é difícil prever como a minoria violenta reagirá aos resultados de amanhã e como engolirá a hipótese de o seu inimigo de estimação, Sarkozy, caminhar para a presidência da França.
SOLTAS
EMPATE NA 2ª VOLTA
A sondagem do instituto CSA indicou ontem que na 2.ª volta Ségolène Royal e Nicolas Sarkozy surgem empatados.
LUSO-FRANCESES
A portuguesa Gracinda Maranhão, apoiante de Royal, afirma que um maior número de luso-franceses – cerca de 500 mil estão inscritos – vai votar.
IMPRENSA EUROPEIA
A imprensa europeia segue com particular atenção as presidenciais. Na Grã-Bretanha, dois jornais, o ‘The Economist’ e o ‘The Times’, decidiram mesmo apoiar o candidato da direita, Sarkozy. Nos EUA, os analistas prevêem a vitória do ex-ministro do Interior.
SAIBA MAIS
85 000 é o número de mesas de voto em França. 44,5 milhões de eleitores podem dizer da sua justiça no próximo domingo. Note-se que 1,5 milhões deles poderão escolher o seu candidato por voto electrónico
500 assinaturas de pessoas eleitas para cargos oficiais é o que todos os candidatos precisam para submeterem as suas candidaturas.
INDÚSTRIA
As mais lucrativas indústrias francesas são a aeronáutica, a automóvel, a farmacêutica, a maquinaria, a alimentar, a vinícola e o turismo.
ECONOMIA
Em 2006, o crescimento económico em França, na ordem dos dois por cento, era o pior dos cinco grandes gigantes europeus.
MERCADOS E PARCEIROS
Os principais parceiros económicos de França são os Estados Unidos e todo o vasto mercado da União Europeia.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)