Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Banco de Inglaterra alerta para "riscos materiais" do Brexit

Situação de perigo para os contratos de futuros a partir do 29 de março.
Lusa 27 de Junho de 2018 às 13:48
União Europeia
Reino Unido
Reino Unido
União Europeia
Reino Unido
Reino Unido
União Europeia
Reino Unido
Reino Unido
O Banco de Inglaterra indicou esta quarta-feira que o Reino Unido fez progressos para mitigar os efeitos do Brexit sobre os serviços financeiros, mas sublinhou que a saída britânica da União Europeia (UE) ainda apresenta "riscos materiais".

O banco emissor inglês precisou, num relatório bianual sobre estabilidade financeira, que o Reino Unido comprometeu-se a legislar, se fosse necessário, para estabelecer autorizações temporárias que ajudem empresas financeiras a continuarem a operar na Europa depois do Brexit, mas sublinhou que a UE não tomou medidas similares.

Esta situação, segundo o banco emissor inglês, deixa numa situação de perigo os contratos de futuros a partir do 29 de março, quando se materializar o divórcio entre Londres e Bruxelas.

Entre "os maiores riscos" de transtornos, onde são necessárias medidas tanto das autoridades do Reino Unido como da UE, está o assegurar "a continuidade dos 96 biliões de libras (108 biliões de euros) de contratos de futuros", sublinhou esta quarta-feira o governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney.

A entidade também informou que tem planos para por em andamento no próximo ano um novo teste contra ataques cibernéticos nas empresas do setor financeiro e nos bancos.

O objetivo é testar a rapidez com que os serviços vitais podem ser restabelecidos depois de um ataque cibernético, na sequência dos recentes problemas informáticos que teve o banco TSB, que impossibilitaram que milhares de clientes acedessem às suas contas.

A entidade inglesa sublinhou que o Centro Nacional de Segurança Cibernética vai trabalhar neste sentido.

No relatório, destinado a avaliar a resistência do sistema financeiro britânico a eventuais riscos, o banco mencionou as atuais tensões comerciais e o alto nível de endividamento na China como ameaças a nível global.

"O Reino Unido é mais vulnerável a uma redução do apetite do investimento estrangeiro em ativos" deste país, adiantou.

A boa saúde de capital dos principais bancos do Reino Unido, segundo Carney, triplicou desde 2007, com rácio de capital Tier 1 de 17% no primeiro trimestre do ano.

O Comité de Política Financeira (FPC, nas siglas em inglês) permanece alerta perante qualquer risco que possa enfrentar o sistema bancário do Reino Unido, sublinha o relatório.

A entidade adiantou que o crédito ao consumo está a crescer rapidamente e recordou que no ano passado atuou para assegurar que as entidades podem absorver fortes perdas devido ao crédito ao consumo.

O Reino Unido vai sair da UE em 29 de março de 2019, data à qual se seguirá um período de transição, mas Londres e Bruxelas ainda não chegaram a um acordo sobre qual será a futura relação comercial entre ambas partes.
Londres Banco de Inglaterra Bruxelas União Europeia UE Reino Unido Brexit 29 de março Europa Mark Carney
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)