Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Bolsonaro diz que não "abre mão" de explorar riquezas da Amazónia

Presidente brasileiro garante que medidas vão melhorar a vida dos 20 milhões de cidadãos que vivem na região.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 21 de Outubro de 2019 às 16:43
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil
Bolsonaro
Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil
Bolsonaro
Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil
Bolsonaro
Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil

Na primeira escala de duas semanas que de visitas a países da Ásia, o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, reafirmou ao chegar a Tóquio, capital do Japão, a soberania do Brasil sobre a Amazónia e afirmou que não abre mão de explorar as riquezas daquela floresta.

Bolsonaro mostra sempre desagrado quando se tratam de assuntos referentes à floresta, e desta vez respondeu às insistentes perguntas de jornalistas japoneses que, independentemente do que alguns governantes de outros países gostaríam, a Amazónia é brasileira e vão ser exploradas por ele as riquezas que esconde, para melhorar a vida dos 20 milhões de cidadãos que vivem na região.

"A Amazónia interessa ao mundo todo e está aberta. Tem de ser explorada. A Amazónia é nossa, não abro mão disso. Há quase 20 milhões de pessoas que não podem ser tratadas como alguns países do mundo querem", declarou Bolsonaro, recusando-se a identificar os países a que se referiu, mas muito provavelmente aludindo à França, à Alemanha e à Noruega, entre outras nações europeias cujos governos têm criticado abertamente o avanço da devastação na região amazónica, a passividade e, em muitos casos, com o incentivo do próprio presidente brasileiro.

Respondendo a uma pergunta sobre as relações bilaterais entre o Brasil e o Japão, Jair Bolsonaro voltou a enfatizar a necessidade de se explorar a Amazónia e depois atacou os governos dos antigos presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff, acusando-os de terem promovido uma "roubalheira", que também prejudicou empresários japoneses.

"O Brasil tem um grande potencial. Temos a nossa Amazónia, tem de ser explorada de forma racional, o livre comércio, restabelecer a confiança. Muitos investidores japoneses perderam fortunas com os governos do PT com roubalheira, com a corrupção, e o nosso trabalho é restabelecer essa confiança", acrescentou o presidente brasileiro no seu português peculiar.

Bolsonaro chegou ao Japão para assistir à cerimónia de entronização do Imperador Naruhito. Depois segue para países do Médio Oriente, para tentar desfazer o mal-estar em países árabes provocado pela sua estreita ligação a Israel. 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)