Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Brasileiros na China fazem vídeo a apelar a Bolsonaro para que os tire de lá mas presidente resiste

Segundo o vídeo, nenhum brasileiro naquele país asiático até agora apresentou sintomas ou mesmo qualquer suspeita.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 2 de Fevereiro de 2020 às 15:20

Cidadãos brasileiros residentes na China divulgaram este domingo no Youtube um vídeo emocionado apelando mais uma vez ao presidente Jair Bolsonaro para que os retire daquele país do Oriente, onde há uma epidemia de coronavírus, e os leve para local seguro, como já fizeram com os seus nacionais governos de vários países.

O vídeo é mais uma tentativa desesperada dos brasileiros residentes na China de sensibilizarem o presidente do seu país, que já negou outros pedidos semelhantes e se tem mostrado claramente contra resgatar os emigrantes.

No vídeo divulgado este domingo, vários brasileiros que estão em território chinês pelos mais variados motivos revezam-se na leitura de trechos de uma carta aberta dirigida a Bolsonaro, lembrando que, apesar de terem ido estudar ou trabalhar na China em busca de oportunidades que não encontravam no Brasil, continuam a ser brasileiros. Muitos desses brasileiros ainda estão em Wuhan, a cidade chinesa onde a doença foi descoberta, outros estão em outras cidades da província de Hubei e espalhados por várias regiões da China.

Segundo o que declaram no vídeo, nenhum brasileiro naquele país asiático até agora apresentou sintomas ou mesmo qualquer suspeita, por mais leve que seja, de estar com o coronavírus, deitando por terra uma das alegações para a recusa de Bolsonaro em resgatá-los, a de que, para ajudar algumas dezenas de pessoas, colocaria em risco milhões de outras. Os participantes na mensagem também afirmam que aceitam cumprir quarentena em qualquer outro país fora da China e do Brasil, desarmando outra desculpa de Bolsonaro, a de que o Brasil não tem uma lei específica para colocar pessoas em quarentena.

Sexta-feira, após ser criticado por não dizer nada sobre a crise mundial do coronavírus e os apelos dos brasileiros, Bolsonaro chamou a imprensa. Numa série de argumentações atabalhoadas, afirmou que não pode mandar um avião à China sem que, primeiro, o Supremo Tribunal e o Congresso autorizem esse gasto, avaliado em aproximadamente 500 mil dólares, para que depois isso não seja usado para o tentarem tirar do cargo acusando-o de mau uso do dinheiro público. 

Ver comentários