Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Parlamento britânico "obriga" Boris Johnson a pedir novo adiamento do Brexit

Deputados britânicos decidiram que primeiro vão deliberar sobre a legislação de saída do Reino Unido da União Europeia.
Jornal de Negócios 19 de Outubro de 2019 às 14:52
brexit boris johnson
Boris Johnson
brexit
brexit boris johnson
brexit
brexit
brexit
brexit
brexit
brexit
brexit boris johnson
Boris Johnson
brexit
brexit boris johnson
brexit
brexit
brexit
brexit
brexit
brexit
brexit boris johnson
Boris Johnson
brexit
brexit boris johnson
brexit
brexit
brexit
brexit
brexit
brexit

O parlamento britânico aprovou uma emenda, submetida pelo antigo deputado conservador Oliver Letwin, que suspende a aprovação do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia até ser validada pelo parlamento a legislação que implementa o acordo.

Na prática, esta emenda acaba por esvaziar a importância do dia de hoje, apelidado de "super sábado". A emenda visa impedir um Brexit caótico a 31 de outubro, mas também dificulta a concretização do acordo de saída selado entre Bruxelas e Londres na quinta-feira.

Boris Johnson fica assim obrigado, ao contrário do que sempre recusou, a solicitar à União Europeia um novo adiamento do Brexit e vê esvaziada a sua ameaça de "deal or no deal".

A aprovação da emenda de Letwin implica que se mantém válida a "Lei Benn", que impede um Brexit desordenado a 31 de outubro e deixa assim ao primeiro-ministro, para já, uma única opção: pedir às capitais europeias um novo adiamento do Brexit.

O pedido, tal como consta na "Lei Benn", tem de ser efetuado já este sábado até às 23h00. Daí que o pedido de com a aprovação da emenda Letwin, o pedido de adiamento seja inevitável. 

Emenda impede Brexit caótico. Acordo votado depois
Antes da votação desta emenda de Letwin, o Governo tinha prometido suspender a votação de hoje do acordo, o que esvazia a importância do "super sábado". Com a aprovação desta emenda, o Parlamento britânico fica com mais tempo para aprovar um acordo e escrutinar todos os detalhes da lei que vai permitir a saída do Reino Unido da UE. Os deputados iriam hoje votar o novo acordo de saída sem conhecerem os estudos sobre os seus impactos económicos, o que foi fortemente criticado por diversos deputados durante esta manhã.

Oliver Letwin foi um dos deputados expulsos do partido por Boris Johnson por ter votado contra os conservadores logo numa das primeiras votações quando o atual primeiro-ministro chegou ao N.10 de Downing Street.

Letwin apoia o acordo de saída alcançado por Boris Johnson, mas avançou com esta emenda para evitar o que diz ser um possível "desastre". Isto porque se o acordo fosse hoje aprovado, mas algo corresse mal na fase de aprovação da legislação, o Reino Unido poderia ficar sem acordo de saída e sem o pedido de adiamento. Assim, esta emenda serve como uma espécie de "seguro" contra um Brexit caótico a 31 de outubro.

A emenda de Letwin visa sobretudo impedir que os defensores de um Brexit sem acordo aprovassem agora o acordo de Boris Johnson, mas chumbassem depois a legislação para o implementar. Esse desfecho levaria a um Brexit caótico, mas com esta emenda resultaria num novo adiamento do Brexit.

A "Lei Benn", aprovada a 4 de setembro, impede um Brexit desordenado e prevê um novo adiamento para 31 de janeiro (isto é, mais três meses face ao prazo atual).

Com esta emenda aprovada, o governo britânico vai agora ter de acelerar a votação da legislação do acordo no parlamento, para que depois este seja aprovado, a tempo de concretizar o Brexit a 31 de outubro. 

Assim, Boris Johnson poderá ter de pedir o adiamento, mas não o utilizar. A imprensa britânica diz que a legislação que suporta o acordo pode ser apresentada já na segunda-feira para começar a ser votada na terça-feira. 

Ainda antes da emenda ter sido aprovada, a BBC salientava que poderíamos passar de um "super sábado" para uma "super terça-feira".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)