Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Bush perde aposta na Segurança Nacional

O secretário para a Segurança Nacional recém-nomeado pelo presidente George W. Bush apresentou a demissão, alegando razões pessoais. A renúncia surpresa de Bernard Kerik, anunciada na noite de sexta-feira, está, no entanto, relacionada com várias denúncias, nomeadamente da sua ligação à empresa ‘Taser International’, fabricante das armas imobilizadoras usadas pela Polícia norte-americana.
12 de Dezembro de 2004 às 00:00
Bush junto a Kerik
Bush junto a Kerik FOTO: d.r.
Na altura em que pela primeira vez justificou a sua decisão, Kerik invocou um problema com uma imigrante ilegal que contratou como empregada doméstica e ama dos seus filhos. Mas, como fica claro das notícias avançadas pelo jornal ‘The New York Times’, este é apenas um caso menor que poderia embaraçar o sucessor de Tom Ridge. Kerik, cuja nomeação foi anunciada no passado dia 3, era, aliás, uma das principais apostas de Bush para a renovação que está a fazer do seu gabinete. O jornal frisou bem que, caso fosse empossado, Kerik supervisionaria um Ministério “que mantém negócios com sociedades que contribuíram para fazer dele um homem rico”.
“Nas actuais circunstâncias não posso permitir que questões de ordem pessoal distraiam o Ministério da Segurança Nacional da sua tarefa crucial”, afirmou, na carta enviada a Bush para justificar formalmente a demissão.
PROCURADOR-GERAL
O procurador-geral dos EUA, William H. Rehnquist, que sofre de cancro da tiróide, mantém-se determinado a presidir à tomada de posse de Bush.
Ver comentários