Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Casal português "atacado" por migrantes que queriam fugir de Marrocos

Dezenas tentaram entrar no reboque na tentativa de conseguir fugir daquele país em direção à Europa.
Catarina Correia Rocha 5 de Março de 2019 às 00:50
A carregar o vídeo ...
Casal português "atacado" por imigrantes que queriam fugir de Marrocos
Foram momentos de desespero vividos por um casal de camionistas portugueses de Vila Verde em Nador, Marrocos, no passado sábado, ao serem "atacados" por centenas de migrantes de várias nacionalidades que queriam entrar no reboque na tentativa de conseguir fugir daquele país em direção à Europa. 

De repente e sem aviso, os migrantes "invadiram" os veículos e tentaram tudo para conseguirem escapar: "Nós estamos em andamento e eles metem-se à frente dos camiões. Mandam os camiões parar e, naquela altura em que paramos, somos envolvidos por multidões que tentam sair do país clandestinos. Sobem pelos camiões, abrem as portas… é uma coisa fora do normal do que estamos habituados a ver", explica Manuel Terrinha ao Correio da Manhã.

Este é um cenário que o camionista e a mulher, que também seguia no veículo, viram repetir-se dezenas de vezes ao longo de poucos quilómetros. "Para fazermos cerca de 15 demoramos duas horas e meia. Sempre pára, arranca. Saem uns entram outros", acrescenta. 

Atropelar ou matar algum dos migrantes era o principal medo do casal. "Não vamos dizer que foram momentos de aflição ou pânico mas de desespero com medo de atropelar ou matar alguém. Porque eles metiam-se de qualquer maneira por baixo do reboque à frente do camião. Alguns foram atropelados por carros ligeiros que ali seguiam. A nossa maior preocupação era magoar ou matar alguém e nós estarmos ali inocentes", revela Manuel Terrinha. 

Marroquinos, maliano, argelinos e senegaleses contam-se entre as nacionalidades dos que pretendem seguir caminho até à Europa. O camionista descreve a situação de desespero: "Partiram-nos algumas coisas no carro e levaram-nos coisas das malas. Não vou dizer que foi roubo. Eles atiram é as coisas para o chão para poderem entrar".

As autoridades marroquinas foram chamadas a intervir e levaram alguns dos envolvidos na tentativa de fuga. "Chamamos as autoridades para sermos escoltados mas eles não respeitam. Atiravam-lhes paus e pedras. A polícia estava de um lado e eles fugiam para o outro. Desapareciam uns e apareciam outros. A polícia levou alguns mas eles eram tantos…", conclui o camionista.

A empresa portuguesa, com sede em Vila Verde, faz o transporte de animais vivos em Portugal e no estrangeiro.
Vila Verde Portugal Nador Europa Marrocos
Ver comentários