Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

"Chegou a tentar comer detergente em pó": Mãe abandona a filha para se divertir e mata-a à fome

Maria confessou ser a autora do homicídio, após ter saído de casa durante uma semana para se divertir em festas regadas a álcool.
Correio da Manhã 13 de Janeiro de 2020 às 09:38
Maria Plenkina
Maria Plenkina
'Chegou a tentar comer detergente em pó': Mãe abandona a filha para se divertir e mata-a à fome
'Chegou a tentar comer detergente em pó': Mãe abandona a filha para se divertir e mata-a à fome
Maria Plenkina
Maria Plenkina
'Chegou a tentar comer detergente em pó': Mãe abandona a filha para se divertir e mata-a à fome
'Chegou a tentar comer detergente em pó': Mãe abandona a filha para se divertir e mata-a à fome
Maria Plenkina
Maria Plenkina
'Chegou a tentar comer detergente em pó': Mãe abandona a filha para se divertir e mata-a à fome
'Chegou a tentar comer detergente em pó': Mãe abandona a filha para se divertir e mata-a à fome
Maria Plenkina, uma jovem mãe de 21 anos, confessou ser a culpada pelo assassinato da sua filha de três anos, a quem deixou em casa sozinha a morrer à fome durante dias, enquanto se divertia em festas. O caso aconteceu na cidade de Kirov, na Rússia.

De acordo com os relatórios judiciais, a menina, de seu nome Kristina, "tinha tanta fome que chegou a tentar comer detergente em pó". A criança foi encontrada nua num apartamento cheio de lixo e totalmente desnutrida. Já tinha comido tudo aquilo que havia em casa: um iogurte, frango e salsichas.

Antes de sair de casa, Maria desligou as torneiras da água. A menina foi encontrada pela avó, de 47 anos. Agora, a jovem de 20 anos enfrenta uma pena de prisão de oito a 20 anos, pelo homicídio da própria filha.

A investigação criminal concluiu que a menina ficou sozinha durante sete dias, de 13 a 20 de fevereiro do ano passado. Maria terá mentido aos amigos com quem se encontrava, dizendo que a bebé estava aos cuidados de um parente.

Durante aquela semana, Maria divertia-se em discotecas e bares com uma amiga. Pouco tempos antes, tinha terminado a relação com o namorado.

Em tirbunal, a mulher confessou o assassinato da filha, alegando ainda assim que não era a sua intenção matá-la.
Maria Plenkina Rússia Kirov questões sociais grupos populacionais interesse humano crianças
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)