Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Cheias afectam estaleiro

Visto de fora, o estaleiro das obras de construção da ponte no rio Zambeze, em Moçambique, a cargo do consórcio português Soares da Costa/Mota-Engil, assemelha-se a uma ilha rodeada de água.
22 de Janeiro de 2008 às 00:00
Para o estaleiro das duas empresas portuguesas, é esta a consequência das cheias que desde Dezembro último se têm registado no rio Zambeze, que normalmente corre a cerca de cinco quilómetros de distância.
Apenas um dique de terra com cerca de três metros de altura em redor do recinto, construído ainda na década de 1970, impede o avanço das águas do Zambeze, que já transformaram o estaleiro de quatro hectares (cerca de quatro campos de futebol) numa autêntica ilha. A obra deverá terminar em Março de 2009. Mais de 300 trabalhadores, 46 portugueses, trabalham nessa obra.
Além de Moçambique, as cheias estão a afectar também a Zâmbia, Zimbabwe e Malawi. Na Zâmbia, 17 pessoas morreram ontem no lago Lusiwasi, 13 das quais membros da mesma família que iam de canoa para um funeral.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)