Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram

Há quem faça poses artísticas, quem toque em mobiliário e quem, inclusivamente, tire fotos com pouca roupa.
10 de Junho de 2019 às 17:08
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram
Chernobyl, a nova moda sinistra do Instagram

O sucesso da nova série da HBO, um canal de televisão norte-americano, Chernobyl, que relata o pior acidente nuclear do mundo, desencadeou um boom turístico de cerca de 40% na cidade de Pripyat, que continua a lutar contra a terrível contaminação nuclear que sofreu há 33 anos. 

Mas uma rápida operação de busca pela rede de partilha de fotografias Instagram demonstra que a curiosidade sinistra já chegou às redes sociais, com muitos utilizadores a mostrarem fotos dos locais afetados pela explosão nuclear, aparentemente indiferentes à radiação ainda presente naquele local. Há quem pouse junto a animais, quem toque em mobiliário e quem, inclusivamente, tire fotos com pouca roupa. "Uma loucura", "não tens medo", "uma viagem que coloca em risco a saúde, não havia necessidade"

A partilha de imagens tem gerado uma onda de indignação idêntica à gerada, por exemplo, pelas fotografias captadas nos campos de concentração de Auschwitz.  Os responsáveis pelo museu do campo de concentração criticam as imagens partilhadas nas redes sociais, onde os visitantes aparecem em cima dos carris do antigo campo de concentração nazi da II Guerra Mundial.

"Quando vier ao Museu de Auschwitz lembre-se que está no local onde mais de 1 milhão de pessoas foram mortas. Respeite a sua memória. Há sítios melhores para aprender a andar em equilíbrio do que o local que simboliza a deportação de centenas de milhares para a morte", apelou o Museu Estatal de Auschwitz-Birkenau, dirigindo-se inúmeros visitantes do antigo campo de concentração que tentam equilibrar-se nos carris da linha férrea e, posteriormente, partilham as imagens nas redes sociais.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)