Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

China não cederá à pressão internacional no caso de Liu Xiaobo

Estados Unidos, União Europeia e organizações de defesa dos Direitos Humanos apelam a Pequim para que deixe Liu e a sua família procurar tratamento.
Lusa 11 de Julho de 2017 às 10:47
Liu Xiaobo
Liu Xiaobo FOTO: Getty
Um jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC) disse esta terça-feira que a China é agora mais "forte e segura" e "não cederá" perante a pressão internacional no caso do Nobel da Paz Liu Xiaobo, que está hospitalizado.

Após as petições internacionais a Pequim para que liberte e deixe sair Liu do país, o jornal considera que "forças" do ocidente estão a politizar o caso.

"As autoridades tiveram em conta os sentimentos da sociedade ocidental e não têm qualquer intenção de utilizar Liu como moeda de troca", apontou o Global Times, jornal em inglês do grupo do Diário do Povo, o órgão central do PCC.

Condenado em 2009 a uma pena de 11 anos de cadeia por subversão, Liu Xiaobo, 61 anos e prémio Nobel da Paz 2010, foi colocado em liberdade condicional em meados de junho após lhe ter sido diagnosticado, em maio, um cancro no fígado em fase terminal.

Desde então, o dissidente está internado, sob vigilância, no hospital universitário n.º 1 de Shenyang, na província Liaoning, nordeste da China.

Os Estados Unidos e a União Europeia e organizações de defesa dos Direitos Humanos têm apelado a Pequim para que deixe Liu e a sua família procurar tratamento médico no estrangeiro.

O Governo, no entanto, defende que o dissidente está a receber o melhor tratamento médico possível na China.

Pequim permitiu este fim de semana que dois médicos da Alemanha e EUA pudessem ver o paciente.

O Global Times recorre às declarações de um dos especialistas para argumentar que Liu não deve sair do país.

O diário cita o médico alemão que diz não crer que Liu possa receber na Alemanha melhor tratamento médico do que o que está a receber na China.

O vídeo difundido pela imprensa chinesa, no entanto, dura apenas alguns segundos e está claramente editado, de forma a mostrar apenas essas declarações.

As declarações do médico norte-americano, Joseph M. Herman, não foram, entretanto, reproduzidas.

"A questão é, se os médicos chineses estão a fazer bem e os médicos alemães não podem fazer melhor, e tendo em conta que existem riscos em transportar o paciente, porque é que determinadas forças fora da China insistem em dar tratamento médico no estrangeiro e em pressionar o Governo chinês", questiona o editorial.

"Trata-se do tratamento médico de Liu? Parece que não", afirma.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)