Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

China poderá anular política de controlo de nascimentos ainda este ano

País está a planear eliminar a política que limita o número de filhos por família.
21 de Maio de 2018 às 19:35
Bebé
Bebé
Bebé
Bebé
Bebé
Bebé

Depois de 40 anos com uma política que limita o número de nascimentos por família, a China está agora a ponderar eliminar este limite, segundo adianta a Bloomberg.

O exercício desta política deixou a segunda maior economia do mundo com uma população envelhecida e com poucos trabalhadores. O governo chinês já encomendou um estudo para tentar perceber as repercussões de acabar com esta medida, que revelou benefícios "limitados". 

A China pretende assim reduzir o ritmo de envelhecimento da população e anular as críticas internacionais relativas a esta política, indo ao encontro da visão do presidente chinês, Xi Jinping, em construir um país modernizado até 2035. 

A proposta em cima da mesa pretende substituir a política de controlo de nascimentos por uma de "fertilidade independente", que permite às famílias decidirem quantos filhos querem ter. A medida pode já entrar em vigor no quarto trimestre deste ano ou no início de 2019, de acordo com a Bloomberg.

"A China está atrasada na remoção dos limites de nascimentos mesmo fazendo-o já este ano, mas é melhor do que nunca", disse Chen Jian, vice-presidente de uma sociedade chinesa para a reforma económica, citado pela agência noticiosa. "Eliminar os limites de nascimentos terá pouco efeito sobre o declínio dos nascimentos na China", acrescentou.

Em 2015, a China alterou a política de nascimentos de filhos por família. O governo chinês alterou a medida de um filho por casal para dois, uma mudança que fazia já parte do processo de moderação da limitação de filhos.

Apesar desta mudança, no ano passado os nascimentos na China diminuíram 3,5% para 17,2 milhões, de acordo com a Bloomberg.

"O número baixo de nascimentos e de recém-nascidos nos dois anos a seguir à implementação da política de dois filhos enviou uma forte mensagem aos decisores, a nova geração tem pouca vontade de ter filhos", afirmou Chen Jian, citado na agência noticiosa.

A política de limite de filhos deixou a China com uma população em rápido envelhecimento, assim como uma sociedade com mais 30 milhões de homens do que mulheres. Uma medida que "forçou gerações de pais chineses a pagar multas, a submeterem-se a abortos ou a criar filhos nas sombras", segundo a Bloomberg.

A China projetou que, em 2030, um quarto da população chinesa terá 60 anos ou mais, um aumento de 13% face a 2010.

China Bloomberg presidente chinês Chen Jian Xi Jinping política
Ver comentários