Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Chuva torrencial inunda São Paulo no Brasil e destrói carros e casas

Mau tempo poderá estender-se pelo menos até à tarde de terça.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 10 de Fevereiro de 2020 às 16:19
Chuva torrencial inunda São Paulo no Brasil e destrói carros e casas
Chuva torrencial inunda São Paulo no Brasil e destrói carros e casas
Chuva torrencial inunda São Paulo no Brasil e destrói carros e casas
Chuva torrencial inunda São Paulo no Brasil e destrói carros e casas
Chuva torrencial inunda São Paulo no Brasil e destrói carros e casas
Chuva torrencial inunda São Paulo no Brasil e destrói carros e casas

Milhares de habitantes de São Paulo e cidades limítrofes à maior metrópole do Brasil estavam ilhados a meio da manhã desta segunda-feira dentro de carros e autocarros com água até perto das janelas dos veículos, ou dentro das suas casas depois de horas de chuva ininterrupta.

A chuva torrencial, uma das mais fortes de que há memória nos últimos anos, começou a cair ao final da noite de domingo e continuava esta segunda-feira, com a previsão de que poderá estender-se pelo menos até à tarde de terça.

As duas principais vias da cidade, a Marginal do Rio Tietê e a Marginal do Rio Pinheiros ficaram totalmente intransitáveis devido ao transbordamento dos rios que lhes dão nome, deixando milhares de carros ligeiros em alguns pontos com a água perto do tejadilho, e autocarros igualmente inundados. Nos carros mais baixos as pessoas subiram ao tejadilho à espera de socorro, e nos autocarros os passageiros tiveram que subir aos assentos.

Até às 8 horas da manhã locais, 11 horas em Lisboa, os Bombeiros tinham recebido quatro mil pedidos de socorro para inundações, deslizamentos de terra e quedas de árvores, um número de solicitações muito acima da capacidade de resposta da corporação. No entanto, até perto das 10 horas desta segunda, 13 horas em Lisboa, havia apenas uma vítima fatal confirmada, um homem arrastado pela corrente formada na rua para dentro de um rio em São Bernardo do Campo.

A essa hora, havia pelo menos 90 pontos de alagamento em toda a cidade, paralisando totalmente o tráfego e, em vários casos, impossibilitando o trabalho das equipas de socorro, que não conseguiam aceder aos pontos mais críticos. Na zona oeste de São Paulo, a mais atingida, choveu até perto das 9 horas, 12 horas em Lisboa, 160 milímetros, o que significa que caíram 160 litros de água por cada metro quadrado.

Além do drama das pessoas que estavam na rua, a situação das que estavam dentro de casa em diversos bairros foi igualmente dramática. Em ruas de regiões mais baixas, a água dentro de várias residências e comércios atingiu o tecto do rés-do-chão, colocando a vida dos moradores em risco e destruindo todos os móveis e outros pertences.
São Paulo Brasil Marginal meteorologia acidentes e desastres inundações
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)