Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Os sete perigos da erupção do vulcão de La Palma, nas Canárias

Fluxos de lava, cinzas e gases são os efeitos mais perigosos, prejudiciais para o ambiente e saúde humana.
Correio da Manhã 22 de Setembro de 2021 às 13:32
A carregar o vídeo ...
Erupção do vulcão nas Canárias pode durar até 84 dias

O vulcão Cumbre Vieja, na ilha de Palma, entrou em erupção no passado domingo. A lava do vulcão, que corre em direção ao mar, tem estado a destruir dezenas de casas desde o início da semana.

O vulcão situado no arquipélago das Canárias costuma dar sinais da sua presença, contudo, não cospe lava desde 1971. Juan Acosta Rodríguez foi a única vítima mortal da anterior erupção vulcânica na ilha espanhola, tendo perdido a vida por inalar gases tóxicos na praia de Los Pecheles, em La Palma. Suspeita-se ainda que a mesma causa tenha estado na origem da morte do fotógrafo Heriberto Felipe Hernández, que faleceu por intoxicação depois de se ter aventurado em passeios pela zona de Santa Cruz de La Palma. Ambos foram vítimas de um dos sete perigos principais depois da erupção de um vulcão, de acordo com o Instituto Geográfico Nacional (IGN) Espanhol.

Fluxos de lava
Quanto mais viscoso for o fluxo da lava, menor será a distância que ele percorrerá, no entanto, pode ganhar em altura. Se o fluxo for mais fluido pode ocupar grandes áreas. O El País citou o presidente do município de La Palma que explicou que "um fluxo de lava com uma altura média de seis metros come literalmente vivendas, infraestruturas e terras de cultivos".

Cientistas que estudam a evolução do vulcão Cumbre Vieja preveem que o fluxo de lava entre no mar na costa de Tazacorte, possivelmente em Playa Nueva, em Los Guirres.

Cinzas vulcânicas
Segundo o IGN Espanhol, "durante a erupção de um vulcão, uma mistura de gases e piroclásticos [fragmentos sólidos de material vulcânico] são emitidos para a atmosfera ". As "bombas vulcânicas" são os fragmentos maiores, com um alcance de poucos quilómetros. Já o resto das partículas são elevadas pelos gases, gerando a pluma vulcânica [cinza vulcânica emitida durante uma erupção]. Quando a densidade dos gases e partículas é igual à da atmosfera circundante, começa a "chuva" de cinzas, que se dispersa pelo ar, podendo cobrir grandes áreas, num raio de milhares de quilómetros e metros de densidade. Estas cinzas podem afectar, por exemplo, a atividade nos aeroportos.

Na saúde das pessoas, as cinzas vulcânicas podem causar "lesões respiratórias, nos olhos, feridas abertas e irritação na pele", alerta o Plano de Emergência Vulcânica das Ilhas Canárias.

Fluxos piroclásticos
Quando a pluma vulcânica gerada por uma erupção não tem energia suficiente ou uma densidade menor que a da atmosfera circundante, ocorre um colapso que gera fluxos densos. Esses fluxos são compostos por uma mistura de gases e partículas sólidas, a uma temperatura muito alta (até cerca de 700º Celsius ) e que se movem em altas velocidades (podem ir até cerca de 550 quilómetros por hora). Esses são os chamados fluxos piroclásticos, prejudiciais para a atmosfera e para a saúde humana. 

Emissões de gases
Os gases, como dióxido de carbono ou dióxido de enxofre, são emitidos para a atmosfera durante a erupção vulcânica, a altas temperaturas e velocidades. Estes gases poluem o ar e a água, podendo atingir um alcance de centenas de quilómetros. Podem causar dores de cabeça, sensação de sufocamento, vómitos, irritações nos olhos e na pele. Podem ainda danificar estruturas metálicas e destruir plantações.

De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Vulcanológico das Ilhas Canárias, o Cumbre Vieja já emitiu entre 6 mil a 9 mil toneladas de dióxido de enxofre por dia na atmosfera, desde domingo.

Fluxos de lama
Estes fluxos são criados durante a erupção ou nos meses subsequentes, após uma chuva torrencial.

O IGN Espanhol alerta para risco de avalanches deste material vulcânico, assim como de cinzas mobilizadas por água precedente de chuvas ou degelo.

Deslize do solo
O solo pode tornar-se instável quando se dá a superposição de materiais duros e moles, podendo haver risco de colapso de infraestruturas ou parte delas. A água ou a intrusão de um grande volume de magna (massas de rocha que existem debaixo da superfície da Terra), podem causar esses movimentos de deslize do solo.

Tsunami
O deslize de uma grande quantidade de terra pode provocar um Tsunami, dependendo da densidade do abalo sísmico. Depois de uma erupção explosiva e, consequentemente, um forte desabamento de terra na água é possível que se origine um Tsunami.

As onde gigantes durante o fenómeno podem atingir vários metros de altura e penetrar dezenas ou centenas de metros da costa.

Ver comentários