Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Itália investiga empresas de entrega de comida online para saber tratamento dado aos estafetas

Procuradores de Milão avançaram que quatro grandes empresas de entrega na Itália receberam 90 dias para melhorar o tratamento dispensado aos estafetas.
Lusa 25 de Fevereiro de 2021 às 00:25
Entrega de comida em Itália
Entrega de comida em Itália FOTO: Getty Images
A Itália está a investigar as empresas de entrega de comida online, com um promotor a lamentar hoje que os estafetas que fazem as entregas, muitos deles imigrantes, são praticamente tratados "como escravos".

Procuradores de Milão avançaram que quatro grandes empresas de entrega na Itália receberam 90 dias para melhorar o tratamento dispensado aos estafetas, incluindo o fornecimento de bicicletas seguras, seguros de acidentes, contratos de trabalho e treino, entre outras proteções de trabalho.

As autoridades avançaram ter emitido um total de 733 milhões de euros em multas.

A promotora Tiziana Siciliano disse, citada pela Associated Press, que as entregas "representam um elo fundamental, sem o qual os negócios não poderiam funcionar"

A agência de notícias italiana LaPresse disse que três das quatro empresas emitiram declarações expressando surpresa e alegando que oferecem flexibilidade e segurança aos entregadores.

Com cafés e restaurantes fechados total ou parcialmente por meses sob as restrições da pandemia de covid-19, estafetas carregando caixas de comida 'zumbiam' pelas grandes e pequenas cidades para ajudar a manter inúmeros italianos alimentados e seguros em suas casas.

As quatro empresas têm cerca de 60.000 passageiros usando bicicletas e scooters, quase nenhum deles trabalhando com qualquer tipo de contrato, contribuições para pensões, férias remuneradas, licença médica ou cobertura de acidentes, disseram os procuradores em Milão.

Os estafetas ganham cerca de 4 euros por cada entrega, sendo que os promotores avançaram hoje, numa conferencia de imprensa, que as empresas usam algoritmos para determinar quais os estafetas que recebem mais entregas, e esses são chamados para ainda mais trabalho.

"Não é mais tempo de dizer que eles são escravos, mas é hora de dizer que são cidadãos", disse o procurador Francesco Greco aos jornalistas, acrescentando que os investigadores aplicaram "não uma abordagem moral ao assunto, mas legal".

A indagação surgiu de uma investigação de 2019 sobre acidentes de rua envolvendo estafetas de entrega de comida através de bicicletas.

As empresas também estão sob investigação para determinar se podem ter violado as leis tributárias, disseram os procuradores.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Covid-19 Itália Milão questões sociais pobreza crime lei e justiça
Ver comentários