Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Credores da Grécia: Mais cortes nas pensões e aumento do IVA

Governo grego rejeitou de imediato estas sugestões.
24 de Junho de 2015 às 17:21
Primeiro-ministro e ministro das Finanças gregos reunidos com o presidente do Concelho Europeu, Donald Tusk
Primeiro-ministro e ministro das Finanças gregos reunidos com o presidente do Concelho Europeu, Donald Tusk FOTO: Eric Vidal/EPA

Os credores internacionais da Grécia apresentaram esta quarta-feira a Atenas uma contraproposta, já rejeitada pelo Governo grego, insistindo em cortes mais acentuados nas pensões e num maior aumento do IVA, mas menores subidas nos impostos sobre os lucros das empresas.

A Comissão Europeia, o Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) apresentaram hoje uma contraproposta a Atenas, que foi inicialmente divulgado pelo jornal norte-americano Wall Street Journal (WSJ) e entretanto partilhado pelos meios de comunicação gregos.

Segundo o documento, os credores consideram que as medidas propostas pelo Governo liderado por Alexis Tsipras no que diz respeito ao imposto sobre o consumo (IVA), às pensões e aos cortes na defesa não são suficientes.

Propostas e contra-propostas
Sobre o IVA, Atenas sugeria um aumento de receita que significasse 0,74% do PIB, mantendo a taxa do imposto inferior a 23% em alguns produtos e serviços. Os credores sugerem um aumento de receita que represente 1% do PIB, mantendo as taxas reduzidas apenas para medicamentos, livros e teatro (6%), para alimentos não processados, energia, água e hotéis (13%).

Nas pensões, Atenas sugeria que as poupanças valessem 1,05% do PIB a partir do próximo ano, mas as instituições sugerem poupanças entre 0,25% e 0,5% já este ano, e de 1% a partir do próximo ano.

FMI, Bruxelas e BCE exigem também que a idade de reforma seja aumentada gradualmente para atingir os 67 anos em 2022 (três anos mais cedo que pretendia Atenas), uma redução das reformas antecipadas a partir de julho (e não no início de 2016) e para todos os trabalhadores, excecionando apenas profissões de risco e mães com filhos com deficiências (abolindo "outras exceções" que o Governo grego pretendia manter), e congelar as pensões até 2021.

Contribuições e defesa
As instituições defendem ainda um aumento de 4% para 6% nas contribuições dos reformados para o sistema de saúde, ao contrário dos 5% propostos pelo Governo grego, e a eliminação gradual do subsídio para os pensionistas mais pobres (o 'Ekas'), enquanto os credores defendem que a contribuição seja de 6% e que esse subsídio seja eliminado imediatamente.

Por outro lado, os credores deixam cair o aumento da contribuição dos trabalhadores para a Segurança Social de 3% para 3,5% proposta pelo Governo, mas pretendem que sejam eliminadas todas as exceções financiadas pelo Estado a partir de julho.

Na defesa, os credores sugerem um corte na despesa duas vezes superior a Atenas, de 400 milhões de euros em 2016.

Credores "amigos" das empresas 
Por outro lado, Bruxelas, BCE e FMI defendem um aumento inferior do imposto sobre os rendimentos das empresas do que o proposto por Atenas, sugerindo que aumente de 26% para 28% e não para 29%.

Os credores sugerem também que não seja implementada a taxa de 12% sobre os lucros das empresas acima de 500.000 euros proposta pela Grécia, tal como os impostos sobre as receitas brutas provenientes do jogo.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)