Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Críticas a Rumsfeld não demovem Bush

O secretário da Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld, continua de pedra e cal na administração do presidente George W. Bush. Numa declaração oficial o presidente dá mesmo a entender que o estatuto do responsável estratégico pela guerra no Iraque é a de um ‘intocável’.
16 de Abril de 2006 às 00:00
Generais acusam Rumsfeld de arrogância e erros graves no Iraque
Generais acusam Rumsfeld de arrogância e erros graves no Iraque FOTO: Shawn Thew/EPA
“Reiterei o meu forte apoio à sua liderança neste momento histórico difícil para o nosso país”, afirmou Bush, considerando que o estilo de comando de Rumsfeld, “enérgico e firme é exactamente o que precisamos neste período”.
A divulgação desta mensagem de apoio foi feita propositadamente no fim-de-semana para evitar o avolumar de especulações de demissão iminente suscitadas pelas críticas públicas a Rumsfeld feitas quase simultaneamente por seis generais na reserva.
Um responsável da Casa Branca revelou paralelamente, sob anonimato, que num telefonema a Rumsfeld o presidente nem tocou no tema das críticas. “Isso não estava minimamente relacionado com a conversa que mantiveram”, garantiu a fonte.
Por outro lado, em entrevista transmitida pela TV al-Arabiya, Rumsfeld desvalorizou as críticas dos generais: “Se de cada vez que duas ou três pessoas discordassem mudássemos o secretário da defesa dos EUA, isso seria como um carrossel.” Mas Charles Swannack, um dos generais descontentes, afirmou: “Não penso que seja a pessoa certa, tendo em conta os erros cometidos no Iraque.”
Rumsfeld é criticado pela forma arrogante como ignora as opiniões dos que comandam a guerra, mas os analistas consideram que o seu afastamento significaria uma admissão dos próprios erros do presidente. Bush, aliás, foi ao ponto de pôr em causa o argumento dos generais. “Eu vi com os meus olhos como Rumsfeld se baseia nas mensagens dos comandantes operacionais para tomar decisões sobre a melhor forma de levar a cabo as missões”, afirmou.
Mas a pressão tem tendência para aumentar. Exemplo disso é a notícia da revista ‘on-line’ ‘Salon’, que citou um documento oficial para acusar Rumsfeld de ter autorizado técnicas “degradantes e abusivas” para interrogatórios em Guantanamo. Foi justamente aquando daquele escândalo de torturas que Rumsfeld por duas vezes pôs o cargo à disposição.
DESENVOLVIMENTOS
REMODELAÇÃO LIMITADA
Na remodelação da administração dos EUA Donald Rumsfeld, responsável da Defesa, está bem situado para continuar, ao contrário de homens como John Snow, secretário das Finanças, cujo tempo no cargo pode estar contado.
GUERRA 'SEM' APOIO
A oposição dos norte-americanos à guerra no Iraque não pára de crescer. Depois de em Abril de 2003, um mês depois do início da invasão, se situar nos 27%, agora as sondagens indicam que são já 58% os que contestam a guerra. Aliás, 46% são contrários a qualquer guerra no estrangeiro.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)