Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Telemóveis na prisão e apps de namoro: a história de uma burla dos novos tempos

Conseguiu um telemóvel ilegal nos calabouços e assim montou um plano para roubar milhares às vítimas, por norma mulheres vulneráveis.
Correio da Manhã 23 de Fevereiro de 2021 às 10:17
Aplicação de encontros
Aplicação de encontros FOTO: Getty Images
Chegou à prisão por um crime não relacionado com burlas. Foi lá que arranjou um telemóvel de forma ilegal e montou um esquema que lhe permitiu ganhar milhares. O nome - fictício - é 'Jamie' e tinha cerca de 20 anos, a sua história foi contada ao programa File on 4 da BBC após ser libertado. Para 'Jamie' tudo não passou de um trabalho. "O máximo que recebi foi 11,600 euros de uma mulher... todas as semanas me enviava cerca de 115 ou 231 euros", revelou. O truque era "fácil". O jovem usou a sua imagem e juventude para enganar mulheres desesperadas nas aplicações de encontros.

Foi através de um telemóvel que conseguiu obter de forma ilegal na prisão que executou todo o plano. 'Jamie' escolheu os alvos depois de identificar as mulheres mais solitárias e sem atenção fora destas aplicações. Na ótica de 'Jamie' são mulheres dispostas a tudo para evitar o risco de perder a conexão. 

Sem medo de utilizar as suas fotos reais, pois a sua aparência ajudaria a atrair as vítimas, 'Jamie' partiu em busca de mulheres mais velhas e desesperadas. Por norma, a conversa começava com um "só quero felicidade". Começava cauteloso, apenas a tentar garantir a atração das mulheres com base nas suas fotografias. Depois disso, começava o jogo dos sonhos. "Quero um filho contigo", outra das frases chave de 'Jamie' durante todo este processo. "Apenas dizia tudo o que elas queriam ouvir até se apaixonarem", contou ao programa da BBC.

Depois de garantir uma ligação emocional com a vítima, 'Jamie' extorquía as mulheres. A pouco e pouco conseguia 'roubar' centenas e até milhares àquelas com quem falava. Tudo acabava quando 'Jamie' revelava que estava preso, apesar de nunca ter dito a verdade sobre a razão da sua prisão.

Milhões de euros perdidos por amor
No Reino Unido, as fraudes ligadas a romances falsos apontam para mais de sete mil queixas que terão custado às vítimas mais de 81 milhões de euros. Uma dessas mulheres foi a viúva Di Pogson de 59 anos, que decidiu contar a sua história à BBC

Di Pogson entregou as economias de uma vida para um homem que conheceu através de uma aplicação de namoro. A história 'cor-de-rosa' acabou por ser uma farsa. O homem por quem se apaixonou não existia. A mulher de 59 anos, viúva, foi alvo de uma criação de três burlões que atacaram mulheres vulneráveis no sul de Inglaterra.

"Nunca pensei ser enganada. Eu era muito esperta", começou por contar. "Mas então o 'Kevin acabou por aparecer e pareceu-me encantador. Estava interessado em mim", acrescentou. "Começou com pouco menos de 575 euros para as contas do veterinário mas as somas foram aumentando gradualmente". "Fiquei completamente sem dinheiro. O alarme soou e fui à polícia", concluiu.

A polícia revelou que em 2020 a maior parte dos crimes aconteceram durante o confinamento, quando as pessoas sentiam dificuldades por estarem mais sozinhas que o normal.
Jamie File BBC Di Pogson crime lei e justiça questões sociais crime polícia prisão investigação
Ver comentários