Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Derrete a cara da mulher com ácido em frente ao filho

Jovem não consegue ver, falar ou comer depois do ataque. Tudo o que faz é chorar.
Pedro Zagacho Gonçalves(pedrogoncalves@cmjornal.pt) 2 de Setembro de 2017 às 08:29
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido
Atsede foi atacada com ácido pelo marido

Uma mulher etíope ficou cega, incapaz de falar ou comer, depois do marido a ter atacado com ácido em casa.

Atsede Nigussiem, de 26 anos, estava com o filho em casa quando foi abrir a porta. Encontrou o marido, que tinha saído de casa após uma discussão, que imediatamente lhe despejou ácido na cara, deixando-a em agonia. O menino de cinco anos estava a dormir no quarto e foi alertado pelos gritos da mãe.

Atsede correu para a rua aos gritos e pediu ajuda aos vizinhos, enquanto o marido fugiu. As imagens, divulgadas pela polícia, podem chocar os leitores mais sensíveis.

Dois meses depois do ataque, Astede ainda está com dores lancinantes. A boca da mulher terreteu e ficou colada, pelo que esta não consegue falar nem comer. Ficou cega do olho esquerdo e ficou com a visão muito danificada no direito, estando em risco de também perder a visão neste olho. Está permanentemente desfigurada.

Os médicos etíopes aconselharam-na a viajar para a Tailândia para ser tratada. Atsede está a ser tratada por especialistas em queimaduras químicas, onde vai ser sujeita a várias intervenções durante dois meses. Segundo os médicos que a tratam, a mulher só consegue comer com uma palhinha e "chora o dia inteiro". Foi lançada uma campanha de recolha de fundos para ajudar a cobrir os custos do tratamento de Atsede.

"Não sei porque o meu marido fez isto. Era noite, abri a porta e aconteceu. Estou destroçada e sempre com dores e a sofrer", escreveu a mulher no hospital. Segundo as autoridades, o casal estava separado há alguns meses depois de uma discussão. O homem foi trabalhar para outra cidade na Etiópia e nunca mais tinha contactado a mulher, até ao dia do ataque. Ainda é procurado pela polícia.

Atsede Nigussiem Astede Tailândia Etiópia questões sociais ácido ataque violência doméstica
Ver comentários