Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Dirceu acusado de associação criminosa

José Dirceu, considerado o principal responsável pela eleição de Lula da Silva a presidente e que tinha tanto poder nos primeiros 30 meses do seu governo que era chamado de ‘czar’, foi acusado pelo Supremo Tribunal Federal por associação criminosa no âmbito do processo sobre o ‘Mensalão’, que a corte analisa desde a semana passada. Na segunda-feira, Dirceu tinha sofrido a primeira acusação, dessa feita por corrupção activa.
29 de Agosto de 2007 às 00:00
No governo de Lula, José Dirceu tinha tanto poder que era chamado o ‘czar’
No governo de Lula, José Dirceu tinha tanto poder que era chamado o ‘czar’ FOTO: Jamil Bittar/Reuters
Acusado pelo procurador-geral da República, António Fernando de Souza, de ser o chefe do ‘Mensalão’, Dirceu foi condenado pelo Congresso à perda dos direitos políticos por oito anos, mas sempre negou qualquer participação no esquema. Agora, pela primeira vez, o próprio Supremo, através do relator do caso, o juiz Joaquim Barbosa, considerou os acusados, entre os quais Dirceu, membros de uma organização criminosa.
“Os factos são claríssimos. Membros de uma associação [o Partido dos Trabalhadores, PT, de Lula e Dirceu] resolvem distribuir recursos a membros de outras associações. Acordos são feitos e são firmados sem registo. Se isso não caracteriza associação criminosa, teremos muitas dificuldades daqui para a frente”, argumentou o juiz.
Além de Dirceu e do publicitário Marcos Valério, considerado o financiador do esquema, até agora o Supremo já acusou, por peculato, corrupção activa, corrupção passiva e branqueamento de capitais, outras 35 pessoas envolvidas no ‘Mensalão’, entre as quais o ex-ministro da Comunicação, Luís Gushiken, o ex-ministro dos Transportes, Anderson Adaúto, o ex-presidente do Partido dos Trabalhadores, José Genoino, o ex-tesoureiro, Delúbio Soares, os principais líderes dos partidos da base presidencial e o ex-deputado e ex-aliado de Lula Roberto Jefferson, autor da denúncia do esquema.
Denunciado em Junho de 2005, o ‘Mensalão’ caracterizava-se pelo pagamento ilegal pelo PT a deputados aliados para votarem a favor das propostas de Lula da Silva enviadas ao Congresso, particularmente em assuntos polémicos. Os recursos para esses pagamentos eram conseguidos através do desvio de verbas de empresas públicas, sobrevalorizando-se contratos de publicidade com as empresas de Marcos Valério. Delúbio Soares, então tesoureiro do PT, era o encarregado de definir quem e quanto recebia, tudo, de acordo com a denúncia entregue ao Supremo pelo procurador-geral da República, sob orientação de José Dirceu.
"FALTA O ALI BABÁ"
Atingido por uma sucessão de escândalos, o governo do presidente Lula da Silva vai ficar para sempre com a marca da suspeita de corrupção, apesar de o chefe de Estado, até agora, sempre ter jogado a culpa nos que o rodeiam e nunca ter sido formalmente acusado. Em relação às 40 pessoas envolvidas no escândalo do Mensalão, Roberto Jefferson (um deles): ironizou: ”Os 40 ladrões já foram indiciados, agora só falta o Ali Babᔫ, numa alusão a Lula.
SAIBA MAIS
14.º
Lugar ocupa o Brasil no ranking dos países mais corruptos da América. Nos últimos dez anos, o nível de corrupção tem piorado segundo o Banco Mundial.
2005
Foi o ano em que a ONU lançou uma campanha contra a corrupção no Brasil, que não se restringe ao meio político. Note-se que todos os países do Mundo enfrentam este problema.
MELHORIA
O Brasil registou uma ligeira melhoria no nível da corrupção entre 1998 e 2000 (Fernando Henrique Cardoso) e entre 2002 e 2003 (1.º mandato de Lula da Silva).
CORRUPÇÃO
O índice brasileiro de controlo de corrupção caiu para 47,1 em 2006, numa escala que vai de zero a cem. Em 2000, o país chegou a ter um índice de 59,1.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)