Sub-categorias

Notícia

Divulgado áudio de cockpit de avião que se despenhou em Seattle

Richard Russell, de 29 anos, roubou aparelho e acabou por morrer ao fazer acrobacias nos céus.
12.08.18

Richard Russell, casado e de 29 anos, roubou um avião da Alaska Airlines e levantou voo, acabando por ser perseguido por aviões militares do Aeroporto de Seattle. Depois de várias acrobacias e manobras perigosas o avião despenhou-se e a queda acabou por ser fatal para o trabalhador do aeroporto, no passado sábado.

De acordo com o jornal The Sun, a equipa de aviação diz que foi "tão fácil roubar o avião como ligar um interruptor".

O homem, que trabalhava no serviço terrestre da Horizon Air, nasceu em Key West, na Flórida, e mudou-se aos sete anos para Wasilla, no Alasca.

Agora, foi divulgado o áudio da conversa angustiante entre o trabalhador do aeroporto e a torre de controlo. "Espero que isto não estrague o vosso dia", disse Richard a quem ouvia do outro lado da linha. A certa altura do voo, o homem questiona-se "Será que se eu aterrar este Alaska com sucesso me dão um emprego como piloto?". Durante a gravação é possível ouvir ainda Richard a dizer que tem uns "parafusos a menos", admitindo estar "em baixo".

Divulgado áudio de cockpit de avião que se despenhou em Seattle

Russell, que sonhava entrar para o exército, confessou que já tinha vomitado e que se sentia bastante tonto a certa altura do voo. "Peço imensa desculpa por isso, não quero que isso arruíne o vosso dia", dizia o trabalhador do aeroporto, enquanto o controlador do tráfego o tentava convencer a pousar a aeronave.

"Gostava de pedir desculpa"
A família está devastada com o sucedido. Richard era um marido fiel, um filho amoroso e um bom amigo. "Tenho muitas pessoas que se preocupam comigo. Vão ficar desiludidas quando souberem que fiz isto. Gostava de pedir desculpa a cada uma delas", afirmou o trabalhador durante o voo fatal.

Russel conheceu a mulher que viria a ser sua esposa em Oregon. Um ano depois, os dois casaram-se e abriram uma padaria juntos. O negócio acabou por fechar em 2015, quando o casal decidiu mudar-se para viver mais perto da família. Russel, com o sonho de se juntar às forças armadas, acabou por procurar emprego no aeroporto depois de fechar o negócio que tinha com a mulher.

O homem tinha estudado Ciências Sociais na Universidade em Washington e ambicionava agora chegar mais alto dentro da empresa de aviação, sentindo-se bastante triste com o emprego que tinha na altura do acidente: carregava malas dos aviões para os tapetes rolantes do aeroporto e sentia-se frustrado com o trabalho e com o salário que recebia.

Sabe-se ainda que o homem não tinha qualquer licença de piloto e apenas tinha aprendido algumas manobras sozinho através de um simulador, dias antes de roubar o avião. Um supervisor operacional reformado da empresa disse que Russel era "uma pessoa calada" e "bem vista pelos colegas".

"Não sei como é que ele aprendeu a fazer isso. Os aviões são máquinas muito complexas. Não percebo como é que conseguiu essa experiência", confessa o CEO do aeroporto. 

O roubo ocorreu num momento em que aeronave se encontrava em processo de manutenção e, como tal, não estava preparada para voar com passageiros.



pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!