Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Donald Trump acusa FBI de lhe roubar passaportes durante buscas na mansão da Flórida

Segundo um recente inventário, o FBI apreendeu 27 caixas que continham documentos confidenciais, entre outros.
Correio da Manhã e Reuters 15 de Agosto de 2022 às 20:33
Trump diz que está a ser alvo "da maior caça às bruxas na história dos EUA"
Trump diz que está a ser alvo 'da maior caça às bruxas na história dos EUA' FOTO: YURI GRIPAS

O ex-presidente norte-americano Donald Trump disse, esta segunda-feira, que os agentes do FBI  que conduziram as buscas na sua mansão de luxo Mar-a-Lago, em Palm Beach, Flórida, lhe roubaram os passaportes.

"Uau! Na operação do FBI de Mar-a-Lago, os agentes do FBI roubaram três passaportes (um deles já expirado), assim como tudo o resto", escreveu Trump numa publicação da sua rede social, o Truth Social, segundo o New York Post. "Este é um ataque a um adversário político a um nível nunca visto antes no nosso País. Terceiro Mundo!" acrescentou o ex-presidente.

Segundo um recente inventário, o FBI apreendeu 27 caixas que continham documentos confidenciais, entre outros.

As buscas, realizadas a 8 de agosto, estão relacionadas com uma investigação sobre se Trump removeu ilegalmente registos da Casa Branca quando deixou o cargo de presidente dos EUA em janeiro de 2021, alguns dos quais o Departamento de Justiça acredita serem confidenciais. O procurador-geral Merrick Garland disse em entrevista coletiva que aprovou pessoalmente a busca.

O Departamento de Justiça também procura tornar público um documento redigido dos itens apreendidos. "O departamento não toma tal decisão de ânimo leve. Sempre que possível, é prática padrão buscar meios menos intrusivos como alternativa a uma busca, e limitar de forma restrita qualquer busca realizada", disse Garland. As autoridades dos EUA, normalmente, não discutem investigações em curso para proteger os direitos dos envolvidos.

No caso de Trump, foi o próprio a anunciar as buscas em comunicado na noite de segunda-feira. Garland disse que o Departamento de Justiça fez o pedido para tornar público o mandado "à luz da confirmação pública do ex-presidente das buscas, das circunstâncias circundantes e do interesse público substancial neste assunto".

Ver comentários