Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

DOR E LUTO EM FRANÇA

Um Boeing 737 da companhia aérea egípcia ‘Flash Airlines’ despenhou-se ontem no Mar Vermelho com 148 pessoas a bordo, quase todas francesas e grande parte delas crianças. A França está em estado de choque e o governo solicitou já a abertura de um inquérito por homicídio involuntário, apesar de as autoridades egípcias assegurarem que a tragédia foi causada por falha técnica e não atentado terrorista.
4 de Janeiro de 2004 às 00:00
Após as primeiras buscas verificou-se ser quase impossível encontrar sobreviventes entre os ocupantes, muitos dos quais eram crianças que regressavam de férias com as famílias.
O aparelho, viajando entre o Cairo e Paris, desapareceu dos radares poucos minutos após a descolagem da estância turística de Sharm el-Sheikh, onde largara turistas italianos e recolhera os 133 franceses. Depois terá tentado voltar para trás e, sem emitir qualquer pedido de socorro, despenhou-se no Mar Vermelho.
Equipas de resgate egípcias em barcos e helicópteros encontraram pedaços da fuselagem e partes de corpos dispersos numa vasta área a menos de 15 quilómetros do aeroporto, mas devido à violência do embate do aparelho na água será em princípio impossível recuperar boa parte dos cadáveres. A bordo seguiam 135 passageiros, 133 deles franceses, e 13 tripulantes egípcios.
“Encontrámos metade de um corpo aqui e outra parte acolá, mas não recuperámos nenhum cadáver inteiro”, afirmou um dos membros das equipas de busca.
Os mergulhadores adiantam ainda que a profundidade das águas tornará tudo ainda mais difícil, podendo impedir a recuperação das caixas negras do Boeing.
Entretanto, os familiares das vítimas francesas foram assistidos pelas autoridades do aeroporto Charles de Gaule, em Paris, onde aguardavam a chegada do avião. Um hotel próximo do aeroporto recolheu dezenas de pessoas nitidamente abaladas, que estão a ser acompanhadas por médicos e psicólogos.
ATENTADO OU ACIDENTE?
Enquanto o presidente francês, Jacques Chirac, telefonava ao seu homólogo egípcio, Hosni Mubarak, para ser informado dos pormenores da ocorrência, o ministro da Justiça francês, Dominique Perben, solicitou a abertura de um inquérito por homicídio involuntário, salientando que isso não significa “julgar à partida as causas do acidente” mas sim fornecer “um quadro processual para os investigadores franceses colaborarem com os egípcios”.
O ministro da Aviação Civil egípcia, Ahmed Mohamed Shafiq Zaki, afirmou por seu lado que todos os indícios e relatos de testemunhas apontam para um acidente devido a uma falha técnica ainda por determinar.
De facto, uma testemunha afirmou à televisão egípcia que várias pessoas ouviram um estrondo na altura do acidente que parecia o embate violento do aparelho na água.
LISTA NEGRA DOS BOEING
Julho de 2003 - 115 mortos na queda de um 737 das linhas aéreas sudanesas. Uma criança de dois anos sobreviveu ao acidente registado após a descolagem.
Março de 2003 - 102 pessoas, sete delas francesas, morrem no mais grave acidente da companhia aérea ‘Air Algerie’. A queda teve lugar também após a descolagem.
Maio de 2002 - O último grande acidente de um avião egípcio, um Boeing 767 da Egyptair, que caiu junto ao aeroporto de Tunes matando 15 pessoas.
Abril de 2000 - Os 131 ocupantes de um Boeing 737 da ‘Air Philippines’ morrem quando o avião se despenha numa zona montanhosa da ilha de Samal.
Outubro de 1999 - Um Boeing 767 da ‘Egyptair’ mergulha ao largo de Nantucket, Massachusetts, matando todas as 217 pessoas a bordo.
Natal de 1999 - Um 727 que descolara do Benin esmaga-se no Atlântico matando 138 pessoas.
Maio de 1998 - 74 pessoas perdem a vida na queda de um 737 da Força Aérea do Peru numa zona de floresta.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)