Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Dormir a sesta reduz o risco de ter um ataque cardíaco

Descansar ocasionalmente diminui quase em metade o risco de insuficiência cardíaca.
Correio da Manhã 10 de Setembro de 2019 às 12:56
Dormir
Dormir
Dormir a sesta reduz o risco de ter um ataque cardíaco
Dormir
Dormir
Dormir a sesta reduz o risco de ter um ataque cardíaco
Dormir
Dormir
Dormir a sesta reduz o risco de ter um ataque cardíaco

Pessoas que dormem a sesta uma ou duas vezes por semana reduzem o risco de ataque cardíaco e AVC, refere uma pesquisa publicada no jornal online Heart.

De acordo com o estudo, dormir a sesta, seja por quanto tempo for, está associado à diminuição do risco de ataque cardíaco.

A investigação analisou informação de mais de três mil pessoas com idades compreendidas entre os 35 e os 75 anos, na altura em que arrancou a pesquisa.

Ao longo de cinco anos, os membros do grupo foram relatando a frequência com que faziam a sesta.

Da população observada, mais de metade não fazia a sesta, 19% das pessoas faziam 1-2 vezes por semana e menos de 450 pessoas disseram fazer a sesta entre 3-5 vezes por semana.

A minoria recaiu sobre a população que fazia a sesta 6-7 vezes por semana – correspondendo a 11%.

Nos cinco anos que se seguiram ao estudo, registaram-se 155 ocorrências de problemas cardiovasculares como ataques cardíacos e AVC’s.

Os investigadores chegaram à conclusão que fazer a sesta 1-2 vezes por semana estava associado a uma redução de 48% no risco de uma ocorrência, mesmo considerando outros fatores.

O professor de medicina metabólica na Universidade de Glasgow, Naveed Sattar, afirmou que pode haver outra explicação para a disparidade dos números quanto a riscos associados: "As pessoas que dormem 1-2 vezes por semana têm um estilo de vida mais saudável ou são mais organizadas o que lhes permite ter tempo para fazer a sesta de vez em quando. Enquanto que aqueles que dormem quase todos os dias ficam mais frequentemente doentes".

AVC saúde ciência e tecnologia interesse humano dormir doenças.
Ver comentários