Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Drones vão vigiar estádios na Taça das Confederações

Força Aérea Brasileira usa veículos aéreos não tripulados para vigiar estádios de futebol.   
29 de Maio de 2013 às 14:09

A Força Aérea Brasileira (FAB) vai usar pelo menos dois dos seus quatro drones (ou, na sigla em português, VANTs, veículos aéreos não tripulados) para vigiar os estádios Mané Garrincha, em Brasília, onde terá lugar a partida de abertura da Taça das Confederações de Futebol, em 15 de Junho, e o do Maracanã, no Rio de Janeiro, onde será realizada a final da competição, dia 30. A Polícia Federal, que não tem autorização para sobrevoar áreas urbanas com os seus dois drones, poderá usá-los no entanto para monitorar acessos aos estádios em cidades próximas.

“Vamos usar os VANTs para monitorarmos os estádios com segurança, sem interferirmos no tráfego aéreo, que terá restrições durante as partidas. A altitude a que voam os VANTs poderá variar, dependendo das especificações do terreno, se há montanhas perto que possam interferir no envio das imagens e do nosso interesse em termos uma maior qualidade dessas imagens”, informou o brigadeiro Mário Luís da Silva Jordão, diretor do Centro de Operações Aéreas da FAB.

Os drones, além de câmaras, possuem radares e sensores sofisticados que permitem vigiar tanto grandes áreas com alto índice de precisão, como para monitorar a movimentação específica de pessoas ou veículos em terra. Os aparelhos, que podem descolar de uma pista com 1.000 metros, são guiados por pilotos em terra, que os controlam e recebem uma vasta série de imagens e informações em vários ecrãs.

“Não há risco nenhum para as pessoas ao sobrevoarmos os estádios. E nem sempre estaremos em cima da multidão, mas posicionados em zonas próximas, em que é possível ver os arredores e buscar imagens que interessam ao centro de comando aéreo”, assinalou o coronel Donald Gramkow, comandante do grupo da FAB que opera os drones.

A Polícia Federal (PF), que, por ser civil, não está autorizada a usar aparelhos não tripulados sobre áreas densamente povoadas, poderá no entanto ajudar. Os drones da PF poderão ser usados, por exemplo, para vigiar as partidas realizadas nas cidades de Fortaleza, Salvador, e Recife, onde os estádios são muito perto da orla costeira e os aparelhos não precisam sobrevoar os bairros para captarem imagens, podendo, por outro lado, monitorar os acessos.

Estádios futebol drones Mário Luís da Silva Jordão Brasília Taça das Confederações Donald Gramkow
Ver comentários