Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Durão Barroso elogia escolhas para os cargos de topo da UE

Alemã Ursula von der Leyen será a próxima líder da Comissão Europeia e a francesa Christine Lagarde fica à frente do Banco Central Europeu.
2 de Julho de 2019 às 20:58
Junker mandou investigar contrato de Barroso com a Goldman Sachs
Durão Barroso vai voltar a subir ao palco da Web Summit em novembro
Durão Barroso
Junker mandou investigar contrato de Barroso com a Goldman Sachs
Durão Barroso vai voltar a subir ao palco da Web Summit em novembro
Durão Barroso
Junker mandou investigar contrato de Barroso com a Goldman Sachs
Durão Barroso vai voltar a subir ao palco da Web Summit em novembro
Durão Barroso
O ex-presidente da Comissão Europeia (CE) e antigo primeiro-ministro português José Manuel Durão Barroso elogiou esta terça-feira os escolhidos para os cargos de topo da União Europeia (UE,) numa mensagem publicada na rede social Twitter.

"O grupo de líderes proposto para os cargos de topo da União Europeia, como Von der Leyen, Michel, Lagarde e Borrell é realmente equilibrado, com muito experiência e verdadeiramente europeus comprometidos. Estou confiante de que desempenharão uma liderança real para uma UE mais forte. Meus melhores desejos!", referiu Barroso no Twitter.

Duas mulheres, dois homens, três deles oriundos de países fundadores da União Europeia (Alemanha, Bélgica e França), foram esta terça-feira indicados pelo Conselho Europeu para ocuparem os principais cargos institucionais da Europa.

Após uma longa maratona negocial, que se prolongou em Bruxelas ao longo dos últimos três dias e com várias interrupções, os chefes de Estado e de Governo dos 28 países da União Europeia chegaram esta terça-feira a um acordo e designaram a alemã Ursula von der Leyen para a presidência da Comissão Europeia, o belga, Charles Michel, para a presidência do Conselho Europeu, o espanhol Josep Borrell para o cargo de Alto Representante da UE para a Política Externa e a francesa Christine Lagarde para o Banco Central Europeu.

Estas nomeações terão ainda de receber a aprovação do Parlamento Europeu para se tornarem efetivas.
Ver comentários