Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Eleições marcadas para 12 de dezembro no Reino Unido

Parlamento aprovou plano de Boris Johnson para ir a votos antes do Natal.
Ricardo Ramos 30 de Outubro de 2019 às 09:05
Boris Johnson
Boris Johnson
Boris Johnson
Boris Johnson
Boris Johnson
Boris Johnson
Boris Johnson
Boris Johnson
Boris Johnson
Após uma série de humilhantes derrotas no Parlamento, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson conseguiu esta terça-feira aquilo que mais queria: o Reino Unido irá mesmo a votos antes do Natal, depois de os deputados terem aprovado a marcação de eleições antecipadas para 12 de dezembro.

Depois de o Partido Trabalhista ter anunciado que o principal motivo para a sua oposição às eleições tinha sido removido com a confirmação do novo adiamento do Brexit, afastando assim a possibilidade de uma saída sem acordo da UE, a proposta de lei de Johnson, que requeria apenas maioria simples para passar no Parlamento, foi aprovada por aclamação pelos deputados, que nem tiveram de sair para as antecâmaras do ‘sim’ ou do ‘não’ como é habitual na maioria das votações parlamentares.

A partir desse momento, o único obstáculo eram as emendas que os deputados poderiam tentar introduzir na legislação. Duas delas, para permitir o voto dos cidadãos europeus residentes no Reino Unido e dos menores de 16 e 17 anos, levaram o governo a ameaçar retirar a lei se fossem aprovadas, mas acabaram por nem ir a votos por decisão do vice-presidente do Parlamento, Lindsay Hoyle.

A única dúvida passava, assim, a ser a data das eleições. A proposta do governo previa a ida às urnas a 12 de dezembro, mas a oposição forçou uma emenda com vista a alterar a data para 9 de dezembro para não calhar no período de férias escolares, a qual acabou por ser rejeitada por 20 votos (315-295).

A decisão final sobre o Brexit caberá, desta forma, aos eleitores. Boris Johnson pede uma maioria sólida para aprovar o seu acordo no Parlamento e seguir em frente com o Brexit, enquanto o líder trabalhista, Jeremy Corbyn, acena com um segundo referendo e os liberais democratas querem cancelar a saída da UE.

PORMENORES
Rebeldes readmitidos
O primeiro-ministro Boris Johnson causou esta terça-feira surpresa ao readmitir 10 dos 21 deputados conservadores que foram expulsos da bancada do partido no mês passado após votarem contra os planos do governo para o Brexit.

Aviso de Donald Tusk
O presidente da Comissão Europeia avisou os partidos britânicos para "aproveitarem bem" o novo adiamento do Brexit por três meses, esta terça-feira oficializado por Bruxelas. "Este adiamento pode ser o último. Aproveitem o tempo o melhor possível", exortou Donald Tusk.
Reino Unido Parlamento Boris Johnson UE Brexit Donald Tusk política governo (sistema) executivo (governo)
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)