Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Engenho defeituoso trava novo massacre em Nova Iorque

Explosão em terminal rodoviário de Manhattan feriu o bombista e mais três pessoas.
Ricardo Ramos 12 de Dezembro de 2017 às 01:30
 Ullah Akayed, suspeito de atentado em Nova Iorque
Suspeito de atentado em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
 Ullah Akayed, suspeito de atentado em Nova Iorque
Suspeito de atentado em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
 Ullah Akayed, suspeito de atentado em Nova Iorque
Suspeito de atentado em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
Explosão em Manhattan
A explosão prematura ou o engenho artesanal que um bombista trazia preso ao corpo ser defeituoso evitou esta segunda-feira um novo massacre terrorista em Nova Iorque. Quatro pessoas ficaram feridas, incluindo o bombista, que foi detido logo após a explosão num túnel sob o maior terminal rodoviário da cidade, por onde passam diariamente mais de 230 mil pessoas.

A explosão, em plena hora de ponta, provocou o pânico entre as milhares de pessoas que se dirigiam para os seus empregos. Imagens de videovigilância mostram o momento exato em que o engenho explodiu, no momento em que o terrorista atravessava um túnel que liga o terminal rodoviário da Autoridade Portuária à estação de metro de Times Square.

A bomba, alojada num tubo de metal, estava presa ao corpo do bombista com velcro e tiras de plástico. A polícia acredita que terá explodido de forma prematura e que não funcionou como previsto, já que o engenho, apesar de "amador", tinha potencial para causar "enorme devastação", segundo afirmou o governador de Nova Iorque, Mario Cuomo.

O terrorista, que sofreu queimaduras e lacerações na zona do abdómen e das mãos, foi identificado como Akayed Ullah, de 27 anos, nascido no Bangladesh e residente nos EUA desde 2010. Não tem cadastro criminal nem ligações conhecidas a grupos terroristas e trabalhou como taxista em Nova Iorque entre 2012 e 2015. Ontem à noite, a polícia realizou buscas na sua residência em Brooklyn e no seu local de trabalho, uma oficina de eletricista onde terá preparado a bomba.

O ataque não foi reivindicado mas o governador Cuomo disse à CNN que se tratou de um "ato de terrorismo" levado a cabo por um indivíduo "revoltado" e influenciado por grupos radicais islâmicos que fabricou a bomba com instruções que encontrou em fóruns jihadistas da Internet.

PORMENORES 
Vídeo mostra explosão
O momento da explosão foi captado pelas câmaras de vigilância do terminal rodoviário. As imagens mostram o túnel a encher-se de fumo, várias pessoas a fugir em pânico e o bombista ferido estendido no chão.

Novo ataque em Manhattan
Este foi o segundo ataque no coração de Nova Iorque em pouco mais de um mês. No dia 6 de novembro, um imigrante uzbeque, Sayfullo Saipov, investiu com uma carrinha alugada por uma ciclovia junto ao rio Hudson, matando oito pessoas. O terrorista foi ferido a tiro pela polícia e detido.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)