Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Erdogan acusa observadores internacionais de serem "politicamente motivados"

Presidente da Turquia admite referendo sobre o prosseguimento das negociações com a UE.
17 de Abril de 2017 às 19:03
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan
O Presidente turco rejeitou hoje as críticas dos observadores internacionais ao referendo constitucional de domingo, que considerou "politicamente motivadas", e evocou a realização de um referendo sobre o prosseguimento das negociações com a UE.

Ao dirigir-se a milhares de apoiantes no exterior do seu palácio presidencial em Ancara, Recep Tayyip Erdogan assegurou que a Turquia vai ignorar as conclusões dos observadores da OSCE.

"Primeiro, conheçam o vosso lugar! Não vamos ver nem escutar os relatórios politicamente motivados que prepararam", afirmou o Presidente turco antes de insistir que a votação foi "a eleição mais democrática" ocorrida num país ocidental.

No mesmo discurso, o chefe de Estado turco admitiu a realização de um referendo para decidir sobre o prosseguimento ou a interrupção das negociações de adesão à União Europeia (UE), uma dia após a sua vitória por margem mínima na consulta popular de domingo sobre o reforço dos seus poderes.

"Há 54 anos que nos fazem esperar à porta da União Europeia, não é verdade? (...) Poderemos ir ao encontro do nosso povo, e obedeceremos à sua decisão", sugeriu Erdogan no seu discurso.

Uma missão comum de observadores da OSCE e do Conselho da Europa criticou hoje a forma "desigual" como decorreu a campanha, assinalada por um controlo quase total dos 'media' e a disponibilização de importantes meios financeiros e humanos pelo AKP.

"Globalmente, o referendo não está à altura dos critérios do Conselho da Europa", declarou Cezar Florin Preda, chefe da delegação da Assembleia parlamentar do Conselho da Europa.

A missão também criticou a decisão do Supremo Conselho Eleitoral (YSK), pouco após o início da contagem dos votos, de considerar como válidos os que não possuíam o carimbo oficial das autoridades eleitorais, e que segundo a oposição é suscetível de fraudes.

"As alterações tardias no processo de contagem [dos votos] suprimiram uma importante barreira" contra as fraudes, precisou Florin Preda.

Previamente, o ministério turco dos Negócios Estrangeiros tinha já rejeitado os relatórios dos monitores internacionais ao manifestar desapontamento pelo que definiu de declarações "acusatórias e politicamente motivadas".

Através de um comunicado, o ministério considerou que as conclusões da missão de observação sobre o desrespeito dos padrões internacionais no decurso do referendo "são inaceitáveis".

O texto acrescenta que a missão de observação da OSCE "chegou à Turquia com ideias pré-concebidas e ignorou os princípios da objetividade e neutralidade".

Em declarações à margem desta polémica, o chefe da diplomacia alemã, Sigmar Gabriel, considerou hoje que apesar dos resultados do referendo que reforçam os poderes presidenciais, a Turquia não deve abandonar a NATO.

"Queremos manter a Turquia perto e não empurrá-la para o isolamento em termos de assuntos internacionais ou mesmo na direção da Rússia", disse ao diário Bild.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)