Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Escola constrói vedação anti-prostitutas

Diretores irritados com o facto das profissionais do sexo invadirem os terrenos da escola e deixarem lixo.
Pedro Zagacho Gonçalves(pedrogoncalves@cmjornal.pt) 24 de Agosto de 2017 às 11:19
Prostituição
Escola na Alemanha construiu vedação
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Escola na Alemanha construiu vedação
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Escola na Alemanha construiu vedação
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição
Prostituição

Uma escola secundária de Berlim anunciou o fim da construção de uma vedação ‘anti-prostitutas’ com 1,8 metros de altura. O objetivo e manter as profissionais do sexo fora do espaço escolar.

A escola Französisches Gymnasium fica numa rua próxima da Kurfürstenstraße, zona conhecida por o principal local de prostituição na cidade. A rua está a ser palco de obras de reabilitação e de construção de apartamentos, o que tem levado as prostitutas para ruas adjacentes.

Segundo os diretores escolares, podem encontrar-se prostitutas junto à escola "a todas as horas do dia", que acabam por deitar preservativos, seringas e lixo nos terrenos escolares. As mulheres são ainda acusadas de usarem o relvado da escola como casa de banho. "Sempre houve queixas da presença de homens suspeitos e prostitutas aqui, a andarem  sem vergonha e de forma ilegal no campus, até durante dia", afirma o inspetor das escolas do distrito Casten Spallek.

Michael Klinnert, diretor da escola, tem a mesma posição: "As prostitutas comem, bebem e deixam lixo. Fica tudo nojento ainda quando não é de noite. Não têm onde tomar banho e por isso invadem-nos a escola e chegam a fazer as necessidades onde bem lhes apetece".

A vedação estende-se ao longo de 125 metros e custou 57 mil euros. A medida foi aplaudida por toda a comunidade escolar, assim como pelos moradores daquela rua. A prostituição foi legalizada na Alemanha em 2002 nas cidades com mais de 50 mil habitantes. A maioria das prostitutas trabalha em bordéis mas ainda há muitas profissionais do sexo que optam por fazer negócio nas ruas, de forma a evitar pagar quarto.

Ver comentários