Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Escutas de Obama a Trump sem provas

Agência de espionagem não recebeu pedido para fazer averiguações.
Francisco J. Gonçalves 9 de Março de 2017 às 08:22
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
Donald Trump não apresentou qualquer prova das graves acusações que fez ao antecessor, Barack Obama
O Congresso dos EUA afirmou ontem não ter qualquer prova que confirme as alegações do presidente Donald Trump de que foi espiado pelo antecessor na Casa Branca, Barack Obama, durante a campanha presidencial de 2016.

O líder republicano no Senado, Mitch McConnell, remeteu explicações para o comité dos serviços de informações da Câmara de Representantes. "O comité está a verificar todos os aspetos do que terá sido feito no passado ano relativamente aos russos e à campanha", disse McConnell. Pelo seu lado, Devin Nunes, responsável do referido comité, afirmou, sobre as alegadas escutas: "Até agora, não temos qualquer prova".

Ainda assim, defendeu Trump e acusou a Imprensa de "tomar à letra" o que o presidente diz. Em sua opinião, Trump só colocou uma questão sobre a possibilidade de ter sido espiado.

Contudo, o responsável de Imprensa da Casa Branca, Sean Spicer, reiterou as acusações e garantiu que Trump não retira o que disse: "Por que iria fazê-lo se nada ainda foi investigado?".

John McCain, senador republicano do Arizona, foi o mais crítico e desafiou Trump "a dizer ao povo americano onde obteve a informação sobre a violação da lei pelo anterior presidente". A acusação é grave e, a par do inquérito do Congresso, justifica uma investigação a outro nível, mas o diretor do FBI, James Comey, garantiu que Trump não fez até ao momento qualquer pedido nesse sentido para investigar o assunto.
Mitch McConnell Congresso dos EUA Donald Trump Senado James Comey Casa Branca
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)