Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Espanha pode acolher forças contra al-Qaeda

A base naval norte-americana de Rota, no Sul de Espanha, poderá vir a acolher as várias unidades de tropas especiais dos EUA encarregadas da luta contra a al-Qaeda, actualmente dispersas pela Europa. O assunto deverá ser debatido na visita que o ministro espanhol da Defesa, José Bono, iniciou ontem aos Estados Unidos.
3 de Maio de 2005 às 00:00
Segundo o diário ‘El País’, as duas bases candidatas a acolher as tropas especiais norte-americanas são a base de Rota e a base de Sigonella, na Sicília. O assunto está a ser estudado pelos altos comandos norte-americanos, admitindo-se que possa vir a ser abordado durante o encontro entre Bono e o seu homólogo norte-americano Donald Rumsfeld, agendado para hoje em Washington.
No início do mês passado, em declarações ao jornal das Forças Armadas dos EUA, o general James Jones, comandante-em-chefe das tropas norte-americanas na Europa, manifestou a intenção de reunir num único “posto avançado a sul dos Alpes” as várias unidades de tropas especiais actualmente dispersas pelas bases dos EUA na Europa.
Esta reorganização insere-se na redução de forças norte-americanas na Europa e visa optimizar os meios à disposição de Washington para “enfrentar as ameaças emergentes na Europa de Leste, no Cáucaso e em grande parte de África”, nomeadamente, a ameaça da al-Qaeda.
Os EUA têm estacionada em Rota uma equipa dos SEALS, unidade de elite da Marinha norte-americana. Segundo peritos espanhóis, esta equipa terá sido usada nos últimos meses em várias operações especiais e de infiltração no âmbito da guerra contra o terrorismo.
Se o plano norte-americano for avante, a esta equipa sediada em Rota juntar-se-á a outra unidade SEAL actualmente estacionada em Sigonella, o Grupo de Forças Especiais do Primeiro Batalhão de Infantaria sediado em Bad Tolz, na Alemanha e o Grupo de Operações Especiais do 352º Batalhão da Força Aérea, estacionado em Mildenhall, Inglaterra.
EMBAIXADA VAI SER TRANSFERIDA
Os Estados Unidos querem transferir a sua embaixada em Haia, na Holanda, para um subúrbio mais seguro e assim resolver um conflito com residentes da área.
Desde os ataques de 11 de Setembro que os EUA reforçaram medidas de segurança nas suas embaixadas, tendo erigido barreiras inestéticas junto à embaixada em Haia, construída no bairro de Voorhout.
Os residentes do bairro têm-se insurgido contra as barreiras e outras construções de segurança, alegando que elas são muito inestéticas e feias.
Perante o crescendo dos protestos, os EUA pretendem mudar-se para o bairro de Clingendael, junto às dunas, mas precisa da aprovação da Câmara de Wassenaar
e das autoridades da província de South Holland.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)