Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

EUA, Reino Unido e Austrália fazem aliança estratégica para travar a China

Pequim denuncia “mentalidade de Guerra Fria” e Paris queixa-se de “facada nas costas”.
Ricardo Ramos 17 de Setembro de 2021 às 08:26
Iniciativa foi anunciada em videoconferência conjunta por Joe Biden, Boris Johnson e Scott Morrison
Iniciativa foi anunciada em videoconferência conjunta por Joe Biden, Boris Johnson e Scott Morrison FOTO: Oliver Contreras/EPA
Os Estados Unidos, o Reino Unido e a Austrália anunciaram a criação de uma nova aliança estratégica para contrabalançar o crescente poderio militar da China na região do Indo-Pacífico. Ao abrigo desta nova parceira, os EUA vão partilhar tecnologia que permitirá à Austrália construir oito submarinos nucleares, numa decisão sem precedentes desde o final dos anos 50.

A nova aliança, denominada AUKUS (uma mistura das iniciais dos países participantes) visa “garantir a paz e a estabilidade na região do Indo-Pacífico a longo prazo”, anunciou Joe Biden numa videoconferência conjunta com os primeiros-ministros do Reino Unido, Boris Johnson, e da Austrália, Scott Morrison, em que nenhum dos intervenientes mencionou a China. “O futuro dos nossos países e de todo o Mundo depende de uma região Indo-Pacífico livre e aberta”, frisou o presidente americano.

A China denunciou a “mentalidade da Guerra Fria” por detrás da nova aliança, que acusou de “danificar a paz e a estabilidade regional, intensificar uma corrida ao armamento e prejudicar os esforços globais de não proliferação nuclear”.

Já a França, que viu ir por água abaixo um acordo de 34 mil milhões de euros para vender submarinos à Austrália, acusou os EUA de “facada nas costas”. “Esta decisão brutal, unilateral e imprevisível faz lembrar aquilo que fazia Donald Trump. Isto não se faz entre aliados”, reagiu o MNE francês, Jean-Yves Le Drian.
Ver comentários