Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

EUA vão libertar mulheres iraquianas

Poucas horas antes de expirar o prazo dado pelos sequestradores da jornalista norte-americana Jill Carroll, o ministério da Justiça de Bagdad anunciou ontem a libertação para breve de seis das oito iraquianas detidas sob custódia americana.
20 de Janeiro de 2006 às 00:00
A jornalista americana foi raptada no passado dia 7
A jornalista americana foi raptada no passado dia 7 FOTO: Jacques Demarthon/Reuters
Apesar de o porta-voz do governo insistir que não há qualquer relação entre a ameaça e a libertação, são cada vez mais insistentes os rumores de que, em regra, as libertações são antecedidas de negociações com sequestradores.
As forças dos EUA confirmaram que há oito mulheres iraquianas em centros de detenção militares, mas não adiantaram as razões e recusaram falar da libertação.
Na terça-feira, a cadeia de televisão al-Jazeera divulgou imagens de vídeo de Jill Carroll, jornalista norte-americana raptada no passado dia 7 em Bagdad pelo grupo ‘Brigadas da Vingança’. No fim, os sequestradores fazem um ultimato, ameaçando matar a refém se as iraquianas detidas não forem libertadas em 72 horas. Ontem, dia em que expirava o prazo, a al-Jazeera divulgou novas imagens do mesmo vídeo. Embora oficialmente se negue, suspeita-se de que na maioria das libertações de ocidentais há cedências por parte dos países a que pertencem os reféns.
ITÁLIA RETIRA
A libertação foi anunciada no dia em que Itália fez saber que vai retirar 1000 dos 2600 soldados que tem no Iraque. Observadores concluíram que as eleições iraquianas foram justas e pediram um governo de coligação.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)