Eventos cancelados em Hong Kong reacendem preocupação com liberdade de expressão

Jornalista do Financial Times foi impedido de entrar no território administrado pela China.
Por Lusa|10.11.18
  • partilhe
  • 0
  • +

O cancelamento de eventos literários e artísticos e a recusa em permitir a entrada de um jornalista do Financial Times em Hong Kong reacenderam a preocupação com a liberdade de expressão naquele território administrado pela China.

Aquando da transferência da administração de Hong Kong em 1997 do Reino Unidos para a China foi prometida uma semiautonomia durante 50 anos, que lhe permitiria manter os direitos de reunião e liberdade de expressão, mas o suspeito sequestro em 2015 pelas forças de segurança chinesas de editores de trabalhos críticos dos líderes do país e o julgamento de organizadores de protestos anti-Pequim vieram sublinhar as preocupações nesta matéria.

Uma decisão de última hora tomada na sexta-feira para restabelecer um evento literário e as recentes pressões de Pequim para impedir atividades da 'sociedade civil' ilustra o debate crescente sobre esta questão, numa semana marcada por novos desenvolvimentos.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!