Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Ex-leão Marcelo Boeck salvo por acaso milagroso

Antigo guarda-redes do Sporting não viajou com a comitiva.
João Pedro Óca 30 de Novembro de 2016 às 08:35
Guardião trocou o Sporting pela Chapecoense
Guardião trocou o Sporting pela Chapecoense FOTO: Direitos Reservados
Marcelo Boeck, ex-guarda-redes do Sporting vendido à Chapecoense em 2015, não viajou com a equipa brasileira para a Colômbia. O guarda-redes não integrou a comitiva porque estava a festejar o 32º aniversário.

"Graças a Deus que Boeck está no mundo dos vivos. Já falei com ele várias vezes e ficámos mais tranquilos quando falei com a mulher", disse ao CM António Araújo, empresário de futebol e amigo do guarda-redes e de Caio Júnior, ex-treinador da Chapecoense, uma das vítimas.

"O que lhe vai na alma é uma grande tristeza. Não viajou porque tinha pedido dispensa. Não o fez e foi um alívio, no que é uma infelicidade para os restantes", acrescentou.

Marcelo Lipatin, representante do jogador e do treinador, encontrou Boeck em "estado de choque". "Está a sentir uma dor maior do que a de todos. Custou-lhe muito perder colegas e amigos", disse ao CM o agente, que se encontrou com a família do técnico Caio Júnior, em Coritiba. "Tive de estar ao lado de quem precisava urgentemente de ajuda", explicou.

Marcelo Boeck dirigiu-se ao balneário da equipa, juntamente com os restantes jogadores que ficaram de fora dos convocados, para rezar pelos companheiros que perderam a vida. As imagens divulgadas nas redes sociais mostram o guarda-redes num momento de reflexão junto a um pequeno altar no balneário. Os restantes jogadores surgem inconsoláveis.

Marcelo Boeck trocou os leões pelo clube de Chapecó para somar mais minutos, mas jogou apenas 11 jogos na época e, nos últimos encontros, não era primeira opção do treinador.

O guardião chegou a Portugal em 2007, para o Marítimo, clube onde alinhou quatro épocas. Em 2011, mudou-se para o Sporting e de leão ao peito jogou cinco temporadas. "Um abraço ao nosso amigo Boeck", escreveu Bruno de Carvalho, presidente do emblema leonino, nas redes sociais.
Ver comentários