Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

FILHAS DE SADDAM QUEREM EXILAR-SE

Duas das três filhas de Saddam Hussein estão a tentar obter asilo no Reino Unido, afirma o jornal árabe de Londres "al-Shaq-al Awsat", citando um primo do presidente iraquiano deposto.
3 de Junho de 2003 às 00:00
Rana e Raghad (em pé) numa foto de família
Rana e Raghad (em pé) numa foto de família FOTO: epa
Izzi-Din Mohammed Hassan al- -Majid afirmou ao jornal estar a tratar do asilo de Raghad, de 35 anos, e da sua irmã Rana, de 33, que têm o Reino Unido no topo da sua lista de prioridades. Se não conseguirem ser aceites aí, ponderam em alternativa começar vida nova no Egipto, no Qatar ou nos Emirados Árabes Unidos.
O motivo para as duas irmãs desejarem abandonar o país são as condições de vida às quais estão submetidas desde a queda do regime do seu pai. Segundo Majid, a duas irmãs estão revoltadas com a invasão do Iraque, que as expulsou dos palácios onde viviam e as obrigou a viver, com os seus nove filhos, em apenas duas assoalhadas de uma casa de classe média de Bagdad.
"Elas lavam as roupas à mão, cozinham e limpam sozinhas a casa onde vivem sem electricidade", afirmou Majid, considerando que "vivem sob grave tensão psicológica".
Nem mesmo o facto de Saddam ter mandado matar os seus dois maridos, que em 1996 regressaram ao Iraque após breve exílio na Jordânia, atenua a dor e revolta que sentem perante a deposição do regime do seu pai.
Em telefonema ao jornal árabe londrino Majid garantiu que Raghad e Rana estão "muito enraivecidas" com o que se passa no Iraque. "Vi lágrimas nos seus olhos, sobretudo quando falámos sobre a guerra e a queda do regime", afirmou. Majida disse ainda que as duas irmãs culpam os assistentes do pai pela derrocada do regime.
Apesar da sua proximidade com as filhas do ditador, garantiu que nem ele nem as duas filhas do ex-presidente sabem nada quanto ao paradeiro de Saddam ou dos seus filhos Uday e Qusay, os mais procurados pelas forças da coligação anglo-americana que ocupa o Iraque.
Majid, saliente-se, fugiu do país em 1995, acabando por estabelecer- -se em Londres. Regressou ao Iraque apenas no passado mês de Abril.
Um porta-voz do Ministério britânico dos Negócios Estrangeiros não garantiu que um pedido de asilo possa ser deferido no caso das filhas do ditador iraquiano. "O Reino Unido não é obrigado a conceder asilo a criminosos de guerra ou a quem atentou contra os direitos humanos", afirmou.
SOLDADOS DEMITIDOS AMEAÇAM
Mais de 3000 antigos soldados iraquianos marcharam ontem sobre o edifício da administração dos EUA em Bagdad ameaçando lançar ataques suicidas sobre as tropas americanas se não receberem os seus ordenados e compensações pelo sua expulsão do Exército.
No dia anterior, uma caravana de veículos dos EUA foi alvejada num bairro de Bagdad, num incidente que culmina uma série de ataques contra as tropas de ocupação.
O Senado dos EUA prometeu entretanto investigar se os Serviços Secretos exageraram ou mentiram deliberadamente sobre o alegado programa de armas proibidas no Iraque.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)