Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

FMI vai cooperar no inquérito judicial a Strauss-Kahn

O Fundo Monetário Internacional (FMI) tenciona cooperar com o inquérito judicial sobre os crimes sexuais de que é acusado o antigo director-geral Dominique Strauss-Kahn, indicou esta quinta-feira uma porta-voz da instituição.
26 de Maio de 2011 às 16:54
Strauss-Kahn está em prisão domiciliária nos Estados Unidos
Strauss-Kahn está em prisão domiciliária nos Estados Unidos FOTO: Reuters

"Tentaremos cooperar plenamente e comportar-nos como bons cidadãos, mas respeitando os direitos dos nossos funcionários", afirmou em declarações à imprensa, em Washington, a directora de relações externas do FMI, Caroline Atkinson.  

Questionada sobre se alguns funcionários do FMI foram contactados pelos investigadores de Nova Iorque, a porta-voz disse que não sabia.  

Caroline Atkinson indicou que nenhum responsável do FMI, incluindo o director jurídico, se encontrou com Strauss-Kahn desde a sua detenção, a 14 de Maio, em Nova Iorque. "Ninguém o encontrou", repetiu.
 
"O antigo director-geral está envolvido num processo judicial e não quero fazer comentários sobre isso, não creio que seja adequado", disse a porta-voz. 

Strauss-Kahn está em prisão domiciliária nos Estados Unidos, acusado de agressão sexual e de tentativa de violação de uma empregada de hotel de Nova Iorque.

fmi strauss-khan investigação crimes abusos sexuais violação eua
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)