Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

François Fillon diz ser vítima de instrumentalização da justiça

Candidato da direita francesa à presidência vai ser ouvido por juízes na quarta-feira.
13 de Março de 2017 às 09:23
François Fillon
François Fillon
François Fillon
François e Penelope Fillon
François Fillon
François Fillon
François Fillon
François e Penelope Fillon
François Fillon
François Fillon
François Fillon
François e Penelope Fillon
O candidato da direita às presidenciais francesas, François Fillon, queixou-se esta segunda-feira de ser vítima de uma "instrumentalização" da justiça, e disse que por esse motivo não se vai demitir.

"Disse que se fosse [considerado] culpado não seria candidato, mas a condição era que as circunstâncias dessa culpa fossem normais", disse Fillon, num entrevista à radio Europe 1.

O candidato acrescentou: "a partir do momento em que me deparo com uma instrumentalização, não vou submeter-me a ordens dos que instrumentalizam a justiça, privando a direita e o centro do candidato que carrega as suas esperanças e valores".

Fillon deve comparecer dentro de dois dias perante os juízes encarregados da investigação aos empregos alegadamente fictícios que atribuiu, com dinheiro público, à sua mulher e a dois dos seus filhos. Como o próprio anunciou, é provável que o acusem formalmente, em particular de apropriação indevida de fundos públicos.

Depois de uma investigação preliminar aberta em 25 de janeiro, a procuradoria decidiu avançar com este inquérito judicial sobre a obtenção de alegados falsos empregos no parlamento por parte de Fillon para a sua mulher e dois filhos.

Hoje, Fillon sugeriu que por detrás de todo o caso está o "sistema" que o quer obrigar a renunciar, afirmando que tal é motivado pelo seu programa económico.

"É devido às minhas posições económicas, devido às posições conservadoras que adotei sobre várias questões sociais", questionou-se.

O candidato insistiu na ideia de que os franceses podem verificar que, nestas eleições, ele é "alvo de todos os ataques".

Numa alusão à notícia de que terá recebido fatos por medida no valor de 48.500 euros, queixou-se que de uma crescente "intrusão" na sua vida privada.

Sobre a convocatória judicial admitiu que não irá "com gosto" e insistiu na ideia de que, desde o início, não é tratado "como qualquer outro litigante". "Vão interrogar-me dois dias antes do fim do prazo para as declarações de candidatura para as presidenciais".

"Não acuso ninguém. Digo que tudo isto conduz a uma precipitação que não é normal", afirmou.

Fillon foi uma das candidaturas presidenciais mais fortes, mas perdeu força depois de estes casos serem conhecidos.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)