Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Frio mata cinco pessoas em São Paulo

Maior vaga de frio dos últimos 22 anos afeta cidade brasileira.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 14 de Junho de 2016 às 19:08
Todos os mortos do frio eram sem abrigo que viviam nas ruas
Todos os mortos do frio eram sem abrigo que viviam nas ruas FOTO: Nacho Doce/Reuters

A maior vaga de frio dos últimos 22 anos na cidade brasileira de São Paulo já matou ao menos cinco pessoas em apenas quatro dias. Os dados foram avançados pela Arquidiocese de São Paulo, que criticou as autoridades pela ausência de uma política estável e duradoura de apoio aos mais carenciados e exigiu medidas de emergência.

Na madrugada de segunda-feira, a mais fria, os termómetros oficiais, que ficam em local fechado, marcaram 3,5 graus, mas no bairro Capela do Socorro, na zona sul, outros equipamentos registaram 0 graus e em São Mateus, no extremo leste, apenas 1 grau.

Desde há uma semana, as temperaturas na capital paulista, normalmente quente, têm estado muito abaixo do que é costume, mesmo para esta época do ano (final de outono no Brasil), o que faz prever um Inverno extremamente rigoroso.

Todos os mortos eram sem abrigo que viviam nas ruas e, deitados no chão, onde a temperatura é ainda mais baixa, não resistiram ao intenso frio. O governo do presidente da câmara, Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, respondeu de forma desabrida aos dados da Arquidiocese, desafiando a Igreja Católica a provar que as vítimas morreram realmente de frio e não de qualquer outra causa.

Além de São Paulo, diversas outras regiões do tropical Brasil estão a enfrentar uma vaga de frio sem precedentes. Em Urupema, por exemplo, no alto da serra, no estado de Santa Catarina, os termómetros chegaram a marcar segunda-feira 9 graus abaixo de zero mas, com o vento que se fazia sentir na região, a sensação térmica, aquilo que as pessoas realmente sentem, era de 28 graus negativos.

Nem a tradicionalmente quente cidade do Rio de Janeiro, famosa pelas belas praias quase sempre encaloradas, escapou. No mesmo dia, a temperatura mínima no Rio foi de 8,5 graus positivos, algo impensável para a capital fluminense. 
São Paulo Capela do Socorro São Mateus Brasil Igreja Católica meteorologia
Ver comentários